Connect with us

Atualidade

Ordem dos Psicólogos lança campanha “Ponto final à pobreza”

Psicólogos reúnem contributos que podem dar
para combater a pobreza e lançam novo site e novo documento

Publicado

on

Perante números tão impactantes, a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) lança a campanha “Ponto Final à Pobreza”, que visa recolher contributos dos psicólogos para combater este complexo problema da sociedade. São, ainda, lançados um novo site e um novo documento, focados no papel que a ciência psicológica e os psicólogos podem ter, tanto no apoio direto como na construção de políticas públicas e respostas integradas.

Portugal é um dos países da Europa com maiores desigualdades económicas internas (2.6 pontos percentuais acima da média da OCDE) e com uma taxa de pobreza acima da média, segundo a introdução do documento “Ponto Final à Pobreza”, divulgado pela Ordem dos Psicólogos Portugueses. A crise socioeconómica provocada pela pandemia agravou o cenário e aumentou a taxa de pobreza em 25% (que representa mais 400 mil pessoas abaixo do limiar de pobreza) e a desigualdade em 9%.

Neste contexto, a ciência psicológica e os seus profissionais têm um lugar privilegiado para apoiar o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, no que diz respeito à erradicação da pobreza. Além de estudar a experiência das pessoas em situação de pobreza e prestar apoio em situação de maior vulnerabilidade psicossocial, os psicólogos podem sustentar a construção de políticas públicas e respostas integradas que visem o combate à pobreza, a redução das desigualdades e a melhoria de condições de vida. A Ordem dos Psicólogos Portugueses começa hoje a recolher o contributo de todos os psicólogos em Portugal no site www.finalapobreza.pt .

Com esta campanha, a OPP pretende, através da disponibilização de um conjunto de recursos e da promoção de um conjunto de iniciativas, recolher contributos para o desenho e posterior implementação de um plano estratégico de ação da profissão nesta área em quatro áreas chave: sociedade civil, decisoras e decisores, profissão e cooperação nacional e internacional.

Situação de pobreza

A pobreza é um «fenómeno multidimensional caracterizado por uma privação sustentada ou crónica de recursos, capacidades, escolhas, segurança e poder necessários para ter o padrão de vida considerado socialmente aceite numa determinada sociedade», explica o documento, lançado esta sexta-feira. Nesse sentido, a pobreza abrange mais pessoas do que as que são classificadas como pobres, porque vai além da ausência de recursos materiais, estendendo-se à escassez de capital humano (educação, experiências pessoais), capital social (rede de relações sociais) e capital de saúde (bem-estar físico e mental). Distinguem-se ainda os conceitos de pobreza extrema (não há recursos suficientes para necessidades básicas) e pobreza relativa (padrão de vida e rendimentos abaixo do nível de vida do país).

A medida de pobreza mais utilizada é a percentagem da população que se situa abaixo da linha de pobreza. Em 2021, essa linha em Portugal situava-se nos 540€ de rendimento, considerando-se em risco qualquer pessoa com rendimento abaixo desse valor.

É importante frisar também que a pobreza não é uma realidade estática e que a intergeracionalidade é um traço relevante, uma vez que o ciclo de pobreza persiste durante várias gerações.

A pobreza pode gerar muitas vezes desigualdades verticais (estrutura social) ou horizontais (afetam como parte de um grupo como género, etnia ou idade), que afetam de forma negativa o bem-estar e a qualidade de vida, e levam à exclusão social.

Pobreza em Portugal e no Mundo

O documento alerta que a pobreza é um problema global, persistente, sistémico, multifacetado e de amplo alcance, que coloca em risco direitos fundamentais com a saúde física e psicológica, o bem-estar e a qualidade de vida.

Atualmente, mais de 700 milhões de pessoas – que corresponde a 10% da população mundial – vivem em situação de pobreza extrema. Nos últimos 15 anos, a taxa de pobreza infantil cresceu em alguns países da OCDE – incluindo Portugal -, e estima-se que em 2030, cerca de 167 milhões de criança viverão na pobreza. Portugal é um dos países desenvolvidos onde é mais difícil sair da pobreza e a pandemia veio agravar as desigualdades, pondo mais de 400 mil pessoas abaixo do limiar de pobreza.

Neste momento, a taxa de pobreza em Portugal situa-se nos 23% e entre os grupos de maior risco estão as crianças (16% das crianças em Portugal) e a população mais velha (17,5% com mais de 65 anos vivem em situação de pobreza).

Impactos da situação de pobreza no bem-estar e nos problemas de saúde psicológica

A saúde psicológica é impactada pelas condições sociais, ambientais e económicas, sendo que a experiência da pobreza influencia negativamente a forma como se pensa, sente e age. A pobreza afeta as pessoas a vários níveis e de várias formas e pode causar impactos cognitivos e emocionais, impactos no desenvolvimento e saúde psicológica, impactos na estigmatização e exclusão social, impactos na empregabilidade e impactos no envelhecimento.

O papel dos psicólogos e psicólogas no combate à pobreza

Os psicólogos podem dar um contributo fundamental como agentes da mudança, a favor da justiça social e económica. A ciência psicológica tem contribuído para compreender a pobreza, as desigualdades e os seus impactos negativos nas pessoas com intervenções que trabalham várias competências. Por outro lado, também chama a atenção para a importância de contruir políticas públicas que mitiguem os determinantes socioeconómicos das situações de pobreza.

Nas duas dimensões de atuação, os psicólogos podem ser agentes da mudança a favor da justiça social e económica, em contexto de saúde, comunitário, educativo, organizacional, na construção de políticas públicas, junto dos media e na investigação.  

A situação de pobreza condiciona a possibilidade de desenvolvimento pleno da pessoa, a sua dignidade, o seu florescimento, a saúde mental e o bem-estar. Os psicólogos podem dar contributos determinantes para combater as situações de pobreza e refletir, desenhar e implementar abordagens integradas e transversais.

Foto: DR.

Atualidade

31ª Semana Cultural de Santa Marta de Penaguião chega ao fim

Balanço extremamente positivo para o Município

Publicado

on

A festividade por excelência de Santa Marta de Penaguião terminou no dia 2 de agosto, terça-feira, com um balanço extremamente positivo para a organização.

Cinco dias de comemoração que ficaram marcados pelo lançamento da nova marca do Município: Santa Marta de Penaguião – Berço D’Ouro, simbolizado numa Pena.

Segundo o executivo municipal, “todos nós somos Douro e de Ouro somos todos nós”. Como tal, ao longo dos dias da celebração, personalidades D(e)Ouro foram distinguidas. No Miradouro D’Ouro Vivo foi feito o reconhecimento a todos os penaguienses que trabalharam na Casa do Douro.

Para além destes penaguienses, foi igualmente feita uma homenagem aos trabalhadores da vinha, os que trabalharam e trabalham na vinha durante todo o ano, delineando a paisagem do seu Douro que tanto os caracteriza. “Trabalho que não é reconhecido, mas que deve ser considerado como uma honra e orgulho”, sublinha o Município.

“O empenho do executivo municipal penaguiense em defender e promover o Douro, bem como em dignificar o trabalho da vinha” foi reforçado com o desafio lançado a todos os “bons” homens e mulheres do Douro, presidentes de Câmara da CIMDOURO e demais entidades presentes nas comemorações do feriado municipal, para assinarem uma carta de compromisso que será enviada para onde possa provocar reação.

Ainda no âmbito das homenagens e reconhecimentos, a 31ª edição da Semana Cultural fica, também, marcada pela atribuição dos primeiros Prémios Solidarius a 6 alunos do agrupamento de escolas que se destacaram, no presente ano letivo, pelo seu trabalho em prol da entreajuda e solidariedade para com os colegas. O associativismo concelhio também esteve em destaque no último dia, com o reconhecimento feito a penaguienses que marcaram a Cultura de Santa Marta de Penaguião, a agora denominada Cultura D’Ouro.

Para além do lançamento da nova marca, a Semana Cultural contou com o tradicional cortejo etnográfico, o espetáculo piromusical, a noite de cantares e de folclore, o desporto, a gastronomia, a demonstração de artes e ofícios, entre muitos outros momentos dignos de visita.

Uma edição que mereceu os mais alargados elogios de quem por lá mora e/ou passou.

Foto: CMSMP.

Continuar a ler

Atualidade

Anadia assinala Dia Internacional da Juventude

Publicado

on

À semelhança do que tem acontecido em anos anteriores, o Município de Anadia vai celebrar, no próximo dia 12 de agosto, o Dia Internacional da Juventude, oferecendo diversas atividades culturais e desportivas às crianças e aos jovens portadores do Cartão Anadia Jovem.

Neste dia, o Município de Anadia dará a oportunidade às crianças e jovens de usufruírem, sem custos, de serviços disponibilizados em equipamentos de cultura e de desporto da autarquia. A comemoração da efeméride será, também, aproveitada para dar a conhecer o programa da Semana da Juventude que vai decorrer entre 19 e 24 de setembro.

Nas Piscinas Municipais, os portadores do Cartão Anadia Jovem terão entrada gratuita. O Cineteatro Anadia exibirá, pelas 21h00, o filme “Que mal fizemos todos a Deus”, com entrada livre para crianças e jovens até aos 30 anos, residentes no concelho. O Museu do Vinho Bairrada terá também entrada gratuita para jovens até aos 30 anos, residentes no concelho.

O Dia Internacional da Juventude é assinalado a 12 de agosto nos termos da resolução, tomada em 1999, pela Assembleia Geral da ONU, na sequência da recomendação emanada da Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude, realizada em Lisboa, entre 8 e 12 de agosto de 1998.

Imagem: CMA.

Continuar a ler

Atualidade

Empresa de Felgueiras adota medidas para fazer face à crise energética

“Nós estamos a poupar energia. Você também pode!”, salienta a Login Alpha

Publicado

on

Enquanto cresce o receio de uma crise energética na Europa e o governo português está preparar um plano com medidas para poupança de energia que deverá ser conhecido no final do mês, a Login Alpha, uma pequena empresa de Felgueiras que presta serviços na área da comunicação e marketing digital, decidiu implementar já algumas medidas.

A Login começou por cortar na iluminação e no ar condicionado: metade das luzes do seu escritório estão desligadas e o ar condicionado está, agora, regulado em 27 graus. Os computadores desligam-se na hora de almoço e não se deve deixar equipamentos, como impressoras ou máquina de café, em stand by quando não estão a ser utilizados. O mesmo acontece com os carregadores dos smartphones e tablets, que devem ser removidos das tomadas elétricas quando não estão a carregar os dispositivos. Sempre que possível, as deslocações são evitadas, sendo substituídas por chamadas telefónicas ou videochamadas. “E estamos todos de bom humor!”, diz a empresa.

“São pequenos gestos que é importante todos fazermos no nosso dia a dia, mais agora com a crise energética que se avizinha”, disse Pedro Fonseca, gerente da Login Alpha. “Sempre tivemos uma forte consciência ambiental na empresa, desde a escolha dos estores do nosso escritório, à iluminação ou à impressora energeticamente eficiente. Enquanto aguardamos as diretrizes do Governo para fazer face à crise energética, adotamos já este conjunto de medidas que, até ao momento, não nos têm causado constrangimentos no nosso trabalho do dia a dia”, sublinhou.

“Uma Agência de Marketing Digital que compreende a Indústria da Moda”, é assim que a Login se define. A empresa, que nasceu em 2018, trabalha principalmente com marcas de moda, calçado, têxteis e vestuário, e presta serviços na área do marketing e comunicação: gestão de redes sociais, publicidade digital, webdesign, branding, assessoria de comunicação. A agência foi criada para responder às necessidades das marcas e fabricantes da Indústria da Moda em busca de soluções de valor acrescentado no mundo online.

Foto: LA.

Continuar a ler

Mais lidas