Connect with us

Atualidade

“ADRIANOPLA”: Um espetáculo sobre a amargura de um projeto utópico falhado

Publicado

on

O espetáculo “ADRIANOPLA” toma como ponto de partida a história de uma comuna anarquista algures no interior dos Alpes Austríacos, nos anos setenta do séc. XX, explorando ideais de utopia de um mundo diferente e confrontando-se com a amargura de um projeto falhado. Esta é uma coprodução d’O FIM DO TEATRO e do teatromosca, com estreia no dia 20 de junho no AMAS – Auditório Municipal António Silva, em cena até dia 29 de junho, de quinta a sábado, às 21h00.

No final do século XX, um documentário está a ser realizado sobre uma comuna anarquista algures no interior dos Alpes Austríacos. Um grupo de utópicos invadiu uma propriedade rural e decidiu instaurar nela um novo tipo de sociedade, baseada na igualdade. Ninguém pode ter propriedade sobre coisa nenhuma, o dinheiro é proibido, a monogamia é abolida e os filhos, lá nascidos, têm paternidade coletiva. A experiência de tentar manter a ordem social e a epopeia do seu líder que não aguenta mais os constantes subornos que lhe são oferecidos e os crescentes conflitos individuais, os quais ele tenta sempre resolver, é o verdadeiro documentário sobre Adrianopla.

Pedro Saavedra, autor do texto e encenador do espetáculo, comenta algumas ideias por detrás da criação da ideia de Adrianopla, uma comuna ficcional inspirada na Comuna de Friedrichshof, liderada por Otto Muehl: “Da história das comunas hippies dos anos setenta resta-nos a amargura do projeto falhado: uma utopia anarquista para um mundo diferente, a construção de uma sociedade alternativa. Este aparente idílico regresso ao Éden original é aquilo que uma equipa documental se incumbe de investigar, sob a liderança de uma realizadora ambiciosa, com um olhar jornalístico, responsável por descobrir o que se passa realmente em Adrianopla. Assim, Adrianopla é simultaneamente a ágora, o templo e o fórum, onde os pilares da Cidade e do comportamento humano serão expostos para que os espectadores possam edificar o seu próprio sentido por cima, tomando partido, ou não, entre o real pragmático e o sonho necessário.”

O espetáculo tem interpretações de Paula Garcia, Rafael Barreto e Wagner Borges, banda sonora original de Ramón Galarza, cenografia de Luís Santos, desenho de luz de Paulo Sabino, e máscaras da autoria de Cláudia Ribeiro.

Será apresentado no AMAS – Auditório Municipal António Silva, de 20 a 29 de junho, de quinta a sábado, às 21h00. Para quem não tiver oportunidade de estar presente fisicamente no AMAS, poderá assistir à sessão em live streaming no palco virtual da companhia, na BOL, no dia 29 de junho, às 21h00.

Os bilhetes para as sessões presenciais e para o live streaming já se encontram à venda na BOL e locais habituais, com valores que variam entre 5 € e 7 €.

Imagem: Monsieur Komodo.

Atualidade

O piano será rei nas noites de verão nos Palácios de Sintra

Em julho, novo Ciclo de Piano homenageia Viana da Mota com recitais de grandes pianistas portugueses: João Xavier, Marta Menezes, Luísa Tender, Pedro Burmester, António Rosado e Artur Pizarro

Publicado

on

Neste início de verão, o cair da noite nos Palácios Nacionais de Sintra e de Queluz será ao som mágico do piano. O novo Ciclo de Piano nos Palácios de Sintra, com direção artística do musicólogo Bruno Caseirão, estreia-se com um programa constituído por seis recitais, que homenageia o virtuoso pianista e grande músico Viana da Mota, cuja vida e obra esteve intimamente ligada a Sintra e à Família Real Portuguesa. Colocando os grandes pianistas portugueses em diálogo com uma nova geração que agora começa a afirmar-se, estarão em palco João Xavier, Marta Menezes, Pedro Burmester, António Rosado, Luísa Tender e Artur Pizarro. O ciclo decorre nas sextas, sábados e domingos dos dois primeiros fins de semana de julho (dias 5, 6, 7, 12, 13 e 14), sempre às 19h00, ora na Sala dos Cisnes do Palácio Nacional de Sintra, ora na Sala do Trono do Palácio Nacional de Queluz; espaços históricos e intensamente vividos, também a nível musical, mas, igualmente, intimistas e com grande qualidade acústica, que constituem o cenário de sonho para uma noite de verão.

O ciclo arranca a 5 de julho, no Palácio Nacional de Sintra, com João Xavier. Pianista da nova geração do piano português e com uma carreira promissora com vários prémios e inúmeros recitais a solo e concertos com orquestra, irá tocar obras de Robert Schumann e Frédéric Chopin, compositores emblemáticos do primeiro romantismo.

No dia 6 de julho, o palco da Sala dos Cisnes será de Marta Menezes, cuja sólida carreira tem sido dedicada à divulgação do reportório português para piano, tanto em Portugal como no estrangeiro. Desta vez, apresentará um programa centrado em compositores ibéricos notáveis, como Antonio Soler, Carlos Seixas, Viana da Mota, Enrique Granados ou Frederico Mompou. A raramente ouvida Sonata de Artur Santos também faz parte do alinhamento do recital.

O primeiro fim de semana deste ciclo encerra com um recital do consagrado pianista Pedro Burmester, na Sala do Trono do Palácio Nacional de Queluz, a 7 de julho. Aluno de Helena Sá e Costa e de Sequeira Costa, Burmester une na sua formação os dois grandes discípulos de Viana da Mota e da escola de ensino do piano por ele iniciada. Nesta noite, revisita as Variações Goldberg de Bach, obra incontornável da literatura para instrumento de tecla, de grande dificuldade técnico-musical, e um verdadeiro desafio apenas ao alcance de grandes músicos.

Na mesma sala, mas a abrir o segundo fim de semana do ciclo, no dia 12 de julho, apresenta-se António Rosado, pianista de grande talento, reconhecido nacional e internacionalmente. Em linha com o seu gosto pela diversidade, tocará desde Suite Bergamasque de Claude Debussy, até à monumental Segunda Sonata Op.36 de Sergei Rachmaninoff, passando por obras de Viana da Mota e de Franz Liszt.

No dia 13 de julho, as sonoridades do piano voltam à Sala dos Cisnes do Palácio Nacional de Sintra, desta vez pela mão da portuense Luísa Tender. Formada na cidade invicta, em Los Angeles, Londres e Paris, também se dedica à docência e à investigação. Neste recital, o epicentro é a execução integral das quatro baladas de Chopin, antecedidas de uma sonata de Wolfgang Amadeus Mozart e do Concerto Italiano de Johann Sebastian Bach.

A primeira edição do Ciclo de Piano nos Palácios de Sintra termina a 14 de julho, no Palácio Nacional de Queluz, com Artur Pizarro, aluno dileto de Sequeira Costa, que, por sua vez, estudou com Viana da Mota. À esplendorosa Sala do Trono, traz um programa em torno do ambiente verdadeiramente latino de uma noite de verão que conjugará três universos: a Argentina de Carlos Guastavino e Alberto Ginastera; a Itália de Gian Francesco Malipiero e Mario Castenuovo-Tedesco; e a França de Gabriel Fauré.

Os bilhetes já estão à venda online no site da Parques de Sintra (www.parquesdesintra.pt). Os recitais no Palácio Nacional de Sintra custam 14€ para jovens (6-17anos) e 18€ para adultos (+18 anos), enquanto os preços dos recitais no Palácio Nacional de Queluz variam entre os 18€ para jovens e os 22€ para adultos. Também é possível adquirir um bilhete que dá acesso aos seis recitais que compõem o ciclo pelo valor de 90€.

Nos dias de recital, estão disponíveis visitas guiadas ao Palácio onde decorrer o espetáculo. Começam às 17h30, têm a duração aproximada de 1h15m e também podem ser adquiridas online.

O Ciclo de Piano nos Palácios de Sintra é promovido pela Parques de Sintra e conta com a direção artística do musicólogo Bruno Caseirão.

Ao longo dos últimos anos, a Parques de Sintra tem investido na qualidade da experiência de visita e na oferta de uma programação diversificada, promovendo numerosas iniciativas dedicadas à música, ao cinema, ao teatro e à arte equestre, com múltiplas propostas que tiram partido da memória histórica dos monumentos e dos ambientes diferentes que o património natural proporciona no decorrer das estações, convidando à sua fruição ao longo de todo o ano. Pretende-se que quem visita o património sob gestão da empresa encontre sempre novos motivos de interesse, ou seja, espaços vivos, em permanente atualização e reinvenção, onde existe sempre algo novo para fazer e para conhecer. Um património de todos, para todos.

Programa do Ciclo de Piano nos Palácios de Sintra: “O Piano Português”

05/07 – 19h00 | JOÃO XAVIER – Palácio Nacional de Sintra (Sala dos Cisnes)

06/07 – 19h00 | MARTA MENEZES – Palácio Nacional de Sintra (Sala dos Cisnes)

07/07 – 19h00 | PEDRO BURMESTER – Palácio Nacional de Queluz (Sala do Trono)

12/07 – 19h00 | ANTÓNIO ROSADO – Palácio Nacional de Queluz (Sala do Trono)

13/07 – 19h00 | LUÍSA TENDER – Palácio Nacional de Sintra (Sala dos Cisnes)

14/07 – 19h00 | ARTUR PIZARRO – Palácio Nacional de Queluz (Sala do Trono)

Com exceção do recital de Pedro Burmester, todos os recitais terão intervalo.

Preçário:

Recitais no Palácio Nacional de Queluz

Adulto (+18 anos): 22,00€

Jovem (6-17 anos): 18,00€

Recitais no Palácio Nacional de Sintra

Adulto (+18 anos): 18,00€

Jovem (6-17 anos): 14,00€

Bilhete Ciclo (válido para os 6 Recitais) – 90,00€

Informação completa e aquisição de bilhetes em www.parquesdesintra.pt

Imagem: DR.

Continuar a ler

Atualidade

Teresa Bonvalot e Francisco Ordonhas vencem nos Açores

Teresa Bonvalot conquista 5º título nacional da carreira

Publicado

on

Teresa Bonvalot e Francisco Ordonhas conquistaram, este domingo, a vitória no Allianz Ribeira Grande Pro, quarta e penúltima etapa da Liga MEO Surf. Se no lado feminino, Bonvalot conseguiu assegurar o título nacional de forma antecipada, ainda durante a manhã do dia final da etapa açoriana, Ordonhas estreou-se a vencer na Liga MEO Surf, depois de ter contribuído diretamente para o adiar da decisão do título masculino. Com a chegada à final masculina Guilherme Ribeiro conseguiu ultrapassar Tomás Fernandes na liderança do ranking masculino e carimbar o triunfo no troféu Allianz Triple Crown, a par de Teresa Bonvalot.

Com a chamada para o dia final a acontecer, ainda, antes das 7 horas, a ação retomou com a ronda 3 masculina, onde Tomás Fernandes e Guilherme Ribeiro estreitaram ainda mais as contas do título, com ambos a conseguirem seguir para a fase man-on-man. Contudo, a melhor performance desta fase pertenceu a Halley Batista, com a melhor onda do campeonato, de 9,25 pontos, e um score de 17, que lhe rendeu o prémio Waversby Round.

Depois foi a vez de ir para a água a ronda 2 feminina, onde Teresa Bonvalot jogava a hipótese de conquistar o título. E Teresa não facilitou, somando 14,50 pontos para vencer a bateria e assegurar o quinto título nacional da carreira. Iniciava-se, assim, a festa de Bonvalot, que não iria parar por aqui.

Enquanto se festejava na areia, na água assistia-se às grandes decisões da prova masculina, com os quartos de final. Foi nesta fase que Tomás Fernandes foi surpreendido por Francisco Ordonhas, com as contas do título a ficarem automaticamente adiadas para a última etapa. Enquanto isso, Guilherme Ribeiro aproveitou o deslize do líder do ranking, para se aproximar da licra amarela. Nesta mesma fase Afonso Antunes venceu uma verdadeira final frente a Tiago Stock para ficar com a hipótese de se manter nas contas do título.

Nas meias-finais femininas houve um duelo de estreantes na fase woman-on-woman, com Concha Balsemão a garantir a primeira final da carreira, após triunfo frente a Teresa Pereira. A ela juntou-se a inevitável Teresa Bonvalot, que bateu Mafalda Lopes após somar 15,75 pontos e garantir logo aí o triunfo no prémio Bom Petisco Girls Score.

Nas meias-finais masculinas, Francisco Ordonhas venceu João Mendonça e garantiu a primeira final da carreira na Liga MEO Surf. Na outra semifinal esteve em jogo muito mais que a presença na final, com Guilherme Ribeiro a vencer Afonso Antunes e a garantir a subida à liderança do ranking, mas também a conquista do troféu Allianz Triple Crown, que do lado feminino já tinha sido assegurado por Teresa Bonvalot.

Antes das finais do Allianz Ribeira Grande Pro realizaram-se as Go Chill Expression Session, com Teresa Bonvalot a vencer a feminina e a juntar mais um prémio ao vasto leque de conquistas na prova açoriana. Do lado masculino foi Joaquim Chaves a voar mais alto que toda a concorrência.

Foi ao início da tarde que foram para a água as finais, com Teresa Bonvalot a vencer a prova feminina, culminando, assim, de forma imaculada esta vinda aos Açores. Teresa somou 9,95 pontos contra 7,10 de Concha Balsemão, conquistando a 27ª vitória da carreira na Liga MEO Surf e a terceira vitória em quatro etapas realizadas em 2024.

“Estou contente por sair daqui com o título e a vitória”, começou por dizer Teresa Bonvalot, após a final. “Apesar de esperar que as ondas colaborassem mais na final, fiquei feliz por fazer a final com a Concha Balsemão, que conheço há muito tempo. Foram três dias de boas ondas e surf e saímos dos Açores muito felizes. Saio daqui super motivada e preparada para as provas que aí vêm, tanto no circuito Challenger Series como nos Jogos Olímpicos”, frisou a nova campeã nacional de surf.

Na final masculina, houve muito equilíbrio até ao fim, com constantes trocas na liderança e com o triunfo a sorrir a Francisco Ordonhas, por apenas 0,35 pontos, com 12,10 contra 11,75 pontos de Guilherme Ribeiro. Além da primeira final da carreira, o jovem surfista de Carcavelos conquistou a primeira vitória da carreira, a menos de um mês de completar 19 anos.

“Este era um objetivo que já tinha há algum tempo”, começou por afirmar Francisco Ordonhas. “Sinceramente, não estava muito à espera, mas estou muito contente por ter acontecido. O heat teve um início lento e decidi esperar mais por melhores ondas e manter a calma, o que deu resultado. Quando fazemos bons resultados a confiança aumenta e penso que estou a atravessar uma boa fase”, rematou.

A Liga MEO Surf 2024 entra, agora, numa pausa de verão, para regressar à ação de 25 a 27 de outubro, com o Bom Petisco Peniche Pro, a quinta e última etapa da temporada, onde irá ser decidido o título nacional masculino. É na Capital da Onda que Guilherme Ribeiro e Tomás Fernandes e vão definir quem será o sucessor de Joaquim Chaves como campeão nacional de surf.

Allianz Ribeira Grande Pro resultados

Final masculina: Teresa Bonvalot 9,95 pontos x Concha Balsemão 7,10 pontos

Final feminina: Francisco Ordonhas 12,10 pontos x Guilherme Ribeiro 11,75 pontos

Allianz Triple Crown: Teresa Bonvalot e Guilherme Ribeiro

Best Wave: Halley Batista, 9,25 pontos

Bom Petisco Girls Score: Teresa Bonvalot, 15,75 pontos

Waversby Round: Halley Batista, 17 pontos

Go Chill Expression Session: Teresa Bonvalot e Joaquim Chaves

Waikiki Junior Award: Miguel Lages

Ribeira Grande Best Surfer: Peter Healion

A nível televisivo, o Allianz Ribeira Grande Pro foi acompanhado em direto na Sport TV, assim como nos restantes meios oficiais: Facebook do MEO, botão azul do comando MEO, em www.ansurfistas.com e redes sociais em @ansurfistas.

A Liga MEO Surf 2024 é uma organização da Associação Nacional de Surfistas e da Fire!, com o patrocínio do MEO, Allianz Seguros, Somersby, Bom Petisco, Go Chill, Corona, Waikiki, Rip Curl, o parceiro de sustentabilidade Jerónimo Martins, o apoio local da Câmara Municipal da Ribeira Grande e o apoio técnico da Associação Açores Surf e Bodyboard e da Federação Portuguesa de Surf.

Teresa Bonvalot conquista 5º título nacional da carreira

Teresa Bonvalot conquistou, também este domingo, o título nacional de surf por antecipação, durante o dia final do Allianz Ribeira Grande Pro, quarta e penúltima etapa da Liga MEO Surf 2024.

O quinto título da carreira de Teresa Bonvalot chegou ao início da manhã, no lado poente da praia do Areal de Santa Bárbara, depois de a surfista de 24 anos ter conseguido superar a ronda 2 da prova feminina e conseguido a consequente qualificação para as meias-finais.

Teresa somou 14,50 pontos e venceu uma bateria em que enfrentou Teresa Pereira, que passou em segundo lugar, Núria Maganinho e Matilde Pinto, dando início aos festejos assim que saiu da água. Esta é uma repetição do que se sucedeu em 2022, onde Bonvalot também carimbou o título nacional de forma antecipada nas ondas açorianas.

“Estou muito contente”, começou por afirmar Teresa após o final da bateria. “Já são alguns anos a vencer e até parece estranho pensar que já lá vão 10 anos desde o primeiro título. Sempre tive objetivos muito claros na minha cabeça. Recordo-me de começar a surfar cedo e de ganhar a primeira etapa com 13 anos. Muita coisa mudou desde então, mas a paixão que tenho é a mesma. Sinto que estou no bom caminho, num caminho de lutar cada vez mais pelos meus objetivos”, frisou.

Depois de se ter sagrado campeã nacional pela primeira vez aos 14 anos, há precisamos 10 anos, Teresa Bonvalot repetiu o feito em 2015, 2020 e 2022. Apenas Patrícia Lopes, com 11 títulos, soma mais vitórias que Teresa na Liga nacional.

Além do título, Teresa Bonvalot também carimbou a vitória na Allianz Triple Crown. Esta é, igualmente, a quinta ocasião em que Teresa consegue este histórico sub-troféu que premeia os melhores surfistas no conjunto de três etapas – Figueira da Foz, Ericeira e Ribeira Grande.

Fotos: Jorge Matreno / ANS.

Continuar a ler

Atualidade

Pombal: PSP resgata quatro cães de casa devoluta

Publicado

on

O Comando Distrital de Leiria da PSP, através da Esquadra de Pombal, no passado dia 13 de junho, procedeu à recolha de 4 canídeos que se encontravam numa casa devoluta. O responsável pelos animais foi identificado, tendo sido dado conhecimento dos factos às autoridades competentes para a instauração dos respetivos processos contraordenacionais.

No que respeita a questões de bem-estar animal, a PSP de Pombal trabalha em constante sintonia com o Canil Municipal, ao qual agradecemos toda a colaboração prestada.

Foto: PSP.

Continuar a ler

Mais lidas