Connect with us

Atualidade

Sintra: “Museu Fora de Si” arranca com exposição em Belas

Publicado

on

A Câmara Municipal de Sintra apresenta a primeira exposição do projeto “O Museu Fora de Si”. Com curadoria de Victor dos Reis, “Bestiário” estará em exibição de 11 de novembro a 26 de fevereiro 2023, na Quinta Nova da Assunção, em Belas.

Bestiário é a primeira de exposição d’O Museu Fora de Si, destinado a mostrar obras da Coleção Municipal de Arte e das restantes coleções artísticas e científicas do Município de Sintra em diferentes locais do concelho e em espaços inusitados num conceito inovador e focado numa política de descentralização.

Nesta primeira fase, o projeto concretizar-se através de três exposições a realizar em 2022 e 2023 em lugares e espaços diferentes. Cada exposição será ao mesmo tempo singular e parte de um todo maior.

A singularidade será procurada num diálogo entre o lugar geográfico, o espaço arquitetónico onde a exposição se realiza e as obras que integram a Coleção Municipal de Arte. Em conjunto (locais, espaços e obras) procurarão contar uma história, iluminar determinadas relações ou, tão somente, chamar a atenção para a recorrência, variação e metamorfose de certas formas, temas ou ideias visuais.

Ao mesmo tempo, a escolha do local e do espaço conduzirá à escolha de um conjunto de escolas e bibliotecas, situadas nas áreas geográficas onde decorrerão as exposições, estendendo até elas as obras selecionadas e, por via desta proximidade, propondo um envolvimento mais direto com as exposições e com os seus conteúdos, conceitos, ideias e imagens.

A exposição Bestiário, como o nome indica, é constituída por obras da Coleção Municipal de Arte e das restantes coleções artísticas e científicas do Município que, direta ou indiretamente, representam, registam ou evocam animais reais ou imaginários, que existem hoje ou que, extintos, sabemos terem existido no passado.

Nesse sentido, a exposição, entendida como uma narrativa visual de caráter ficcional, constrói uma espécie de bestiário sintrense – não porque se refira a um conjunto de animais expressamente relacionados com Sintra, mas porque ficciona a própria ideia de bestiário a partir de uma seleção muito alargada e diversificada de imagens de animais que, de forma tanto propositada como acidental, convivem hoje nas coleções municipais. 

A exposição decorrerá na Adega da Quinta Nova da Assunção, em Belas, com uma área de cerca 250 metros quadrados, cuja construção foi iniciada em 1860 por José Maria da Silva Rego.

O tema escolhido para esta primeira exposição relaciona-se com um dos motivos principais da vasta decoração azulejar, da autoria de Luís António Ferreira (conhecido por Ferreira das Tabuletas), dos muros, tanques, mirantes, pavilhões, casas de fresco e lagos do parque da Quinta (e até da pintura de paredes e tetos das salas do seu palacete): a representação híbrida de vistas, personagens e animais de paragens longínquas – ora na Europa, ora no Extremo Oriente, ora na América do Sul.

A exposição Bestiário será constituída por 102 obras, das quais 5 são mostradas em 4 escolas (Escola E.B. 2,3 Ruy Belo, Escola Secundária Miguel Torga, Escola Secundária Padre Alberto Neto, Escola Secundária Stuart Carvalhais) e na Biblioteca Ruy Belo. 

Integra obras de Paula Rego, de Susan Norrie, representante da Austrália na Bienal de Veneza de 2007, de Cruzeiro Seixas, de Camila Loureiro, de Cristina Reis, de Pedro Proença, de Fátima Mendonça, de Eva Armisén, de Isabelle Faria e de Nuno Viegas, entre outros artistas da Coleção Municipal de Arte de Sintra.

A estas, juntam-se obras de Tomás Leal da Câmara, da Casa-Museu de Leal da Câmara, de Artur Anjos Teixeira e de Pedro Anjos Teixeira, do Museu Anjos Teixeira, bem como peças das coleções do Museu de História Natural de Sintra e do Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas. 

Imagem: DR.

Atualidade

Barcelos: Condicionamento na Ponte de Santa Eugénia

Publicado

on

Devido à realização das obras do fecho da Circular Urbana – Nó de Santa Eugénia/Gamil, o trânsito na Ponte de Santa Eugénia vai ser feito de forma alternada, a partir de 25 de junho.

Esta situação advém do facto de ser necessário executar trabalhos de instalação de coletores de grande dimensão que vão drenar as águas pluviais para o Rio Cávado e exigem a abertura de valas de grande dimensão.

Assim, para assegurar a total segurança dos automobilistas e trabalhadores da obra, o trânsito será feito de forma alternada e regulado por semáforos.

O Município de Barcelos apela aos condutores, que tenham outras alternativas, o favor de evitarem a passagem na Ponte.

Estas obras de instalação de condutas deverão demorar cerca de dois meses.

Entendendo os incómodos que esta situação vai causar, a verdade é que, após o fecho da circular estar concluído, resultarão enormes vantagens para a fluidez do trânsito para quem entra e sai da Cidade.

Imagem: CMB.

Continuar a ler

Atualidade

Cinco detenções em operação de prevenção criminal desenvolvida na baixa da cidade do Porto

Publicado

on

O Dispositivo da Polícia de Segurança Pública do Comando Metropolitano do Porto, no dia de ontem, realizou mais uma operação policial que teve como objetivo a prevenção e combate à criminalidade de forma a promover a segurança, ordem e tranquilidade pública e de reforço do sentimento de segurança dos cidadãos, na área da baixa da cidade do Porto.

Da presente operação, desenvolvida através do efetivo da 1ª Divisão Policial, resultou a detenção de 01 cidadão por especulação (venda de cigarros avulso); 02 por venda ilegal de conjuntos de jogos de fortuna ou azar; e 02 por tráfico de estupefacientes.

A PSP apreendeu Haxixe, Cocaína e Liamba suficientes para cerca de 216, 28 e 14 doses individuais, respetivamente; a quantia de 441 €; 75 conjuntos de jogos de fortuna ou azar (poker); 36 cigarros; e 01 faca.

Os detidos foram notificados para comparecerem junto das Autoridades Judiciárias.

Foto: PSP.

Continuar a ler

Atualidade

Universidade do Minho proporciona batismo de voo a 75 alunos de Engenharia Aeroespacial

Estão ligados ao curso com a melhor média nacional e, no sábado, vão testar aeronaves em Cerveira

Publicado

on

Setenta e cinco estudantes de Engenharia Aeroespacial da Universidade do Minho vão realizar o seu batismo de voo este sábado, dia 22 de junho, no aeródromo do Alto Minho (Cerval), em Vila Nova de Cerveira. A manhã começa com workshops de mecânica, planos de voo e meteorologia. A oportunidade para rasgar as nuvens é a partir das 11h00 e, depois, das 14h00. No hangar prevê-se vários ultraleves prontos para sobrevoar as margens do rio Minho e com o apoio de diversos pilotos e engenheiros.

Neste Programa de Adaptação ao Meio Aéreo, os estudantes vão dar asas ao sonho e testar a nível prático o que aprenderam na teoria, resume o diretor da licenciatura e do mestrado em Engenharia Aeroespacial da UMinho, Gustavo Dias. Os alunos, quase todos do 1º ano daqueles cursos, poderão ainda recolher informações e questionar os profissionais do aeródromo para projetos que têm desenvolvido nas aulas.

Por exemplo, na licenciatura em Engenharia Aeroespacial – que tem a nota mínima de entrada mais alta do país (18.86 valores) –, uma das disciplinas exige construir um planador com materiais em fim de vida de empresas da região, além de se aplicar conhecimentos de mecânica, eletrónica e comunicação. Já no mestrado, o desafio é fazer um balão meteorológico para, após subir e rebentar na atmosfera dentro de semanas, ser detetado por GPS e daí analisar-se os dados obtidos de temperatura, humidade e outros indicadores.

A iniciativa no Cerval tem a parceria da recém-criada Associação de Estudantes de Engenharia Aeroespacial da UMinho e da Escola de Engenharia da UMinho. A opção pelo aeródromo de Cerveira em vez do de Braga deve-se a questões de segurança, pois está fora das principais linhas de operação aeronáutica comercial. A UMinho e o Aeroclube do Alto Minho assinaram em 2023 um protocolo para projetos neste domínio e os municípios de Cerveira e Valença estão também disponíveis para investir na construção de um hangar para a investigação da UMinho.

O aeródromo de Cerval é considerado um dos mais importantes da Península Ibérica, com cerca de sessenta aeronaves inscritas. Tem igualmente interesse histórico, pois em 1933 o pioneiro da aviação estado-unidense Charles Lindbergh ficou sem fuel no seu hidroavião Lockheed e fez uma amaragem forçada no rio Minho, em Friestas, Valença, que foi assim projetada na imprensa mundial. Em 1997, foi erigido um monumento alusivo próximo do local.

Foto: UM.

Continuar a ler

Mais lidas