Connect with us

Atualidade

“Os Passos de Um Gigante”: Orquestra Sinfónica Metropolitana celebra o Natal com obras de Brahms e Beethoven

Com quatro concertos

Publicado

on

Numa carta dirigida a um amigo, Brahms escreveu, em 1872, o seguinte: «Não podes imaginar a sensação constante de ouvir um gigante caminhar por detrás de ti». Esse gigante era Beethoven. Talvez por isso, Brahms tenha demorado mais de vinte anos a compor a sua primeira sinfonia, estreada em 1876. Em resultado, há quem lhe aponte semelhanças com momentos emblemáticos das sinfonias de Beethoven, tais como o célebre motivo rítmico da Quinta Sinfonia, que se vislumbra no coração do primeiro andamento, e a melodia que se destaca no último, com caráter idêntico ao Hino à Alegria que se ouve do final da Nona.

Neste programa, os passos do gigante projetam-se na abertura da peça teatral Egmont. E por que é Natal, a Orquestra Sinfónica Metropolitana acrescenta ainda um curto apontamento musical dedicado a tão especial quadra do ano.

“Os Passos de um Gigante”, pela Orquestra Sinfónica Metropolitana, sob direção do maestro Pedro Neves.

Ludwig van Beethoven – Abertura da peça teatral Egmont

Johannes Brahms – Sinfonia Nº 1

Vários Três Temas de Natal

Joy to the World Medley (arranjo de Todd Hayen)

. O Holy Night (arranjo de Ron Goldstein)

. We Wish You a Merry Christmas (arranjo de Chris Ridenhour)

Concertos

16 de dezembro, pelas 21h00, na Igreja do Convento de São Francisco, em Évora.

17 de dezembro, pelas 21h00, no Fórum Municipal Luísa Todi, em Setúbal.

18 de dezembro, pelas 18h00, no Pavilhão Paz e Amizade, em Loures.

20 de dezembro, pelas 20h00, no Teatro São Luiz, em Lisboa.

Imagem: DR.

Continuar a ler
Clique para Comentar

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Atualidade

Palácio Nacional da Pena recupera decoração original da Sala de Visitas

Projeto de reconstituição histórica revela luxo e sofisticação

Publicado

on

Ao fim de sete de anos de investigação, a equipa do Palácio Nacional da Pena conseguiu reconstituir a decoração original da Sala de Visitas e recuperar o ambiente idealizado pelo rei D. Fernando II, no século XIX. A pesquisa revelou que, na divisão mais protocolar do Palácio, onde eram recebidas as visitas, o monarca fez um forte investimento e optou por uma decoração luxuosa, elegante e sofisticada, que impressionasse quem ali era recebido. Entre pintura mural, mobiliário, bronze, porcelana e veludo, onde sobressaía o “ouro sobre azul”, tudo contribuía para o aparato. Apurou-se que a maioria das peças que compunham a sala no século XIX continuavam no Palácio. Com este projeto museográfico, retornam, agora, ao local onde foram colocadas por D. Fernando II. Regressam, igualmente, os têxteis em veludo azul, rigorosamente reconstituídos, com o objetivo de proporcionar aos visitantes atuais uma experiência semelhante à que teriam os visitantes do passado.

Para perceber como era a Sala de Visitas de D. Fernando II − o rei que mandou edificar o Palácio da Pena − foi necessário estudar os inventários históricos do monumento, o seu acervo e as faturas das aquisições do monarca para a decoração de interiores. A equipa de investigadores contou, ainda, com a descoberta de uma preciosa imagem estereoscópica captada por Carlos Relvas, que retrata esta divisão no início da década de 1870. Estas fontes revelaram que, para além da ornamentação das paredes e do teto com pintura mural em “trompe l’oeil” alusiva à arquitetura islâmica, que D. Fernando II encomendou a Paolo Pizzi, em 1854, também a decoração do espaço foi objeto de um cuidado especial por parte do rei.

Em termos de mobiliário, a escolha recaiu em peças de produção nacional dos séculos XVII e XVIII, em pau-santo, com tremidos e torneados, que D. Fernando II muito apreciava, como exemplificam a secretária, o contador e o bufete que preenchem a sala. Sobre eles, colocou objetos decorativos de alta qualidade, como o par de candeeiros franceses em bronze e porcelana azul e diversas peças de porcelana oriental da sua coleção. Completam o cenário os têxteis em materiais de luxo, como os veludos e as passamanarias de seda que envolvem o espaço e lhe conferem o pretendido caráter protocolar e de aparato. A reconstituição dos elementos têxteis foi, simultaneamente, o ponto de partida e o maior desafio deste projeto museográfico.

“Ouro sobre azul” para impressionar os sentidos

Com base numa fatura da casa Barbosa e Costa, descobriu-se que o veludo azulino foi o tecido encomendado por D. Fernando II para revestir os estofos, do canapé e das cadeiras, e para a armação do fogão de sala desta divisão. O tom de veludo azul (azulino) descrito nos documentos estudados está em plena harmonia com os candeeiros e a taça em porcelana azul montados em bronze que se encontravam na Sala de Visitas naquela época.  Estas fontes revelam, também, que o tecido era aplicado nos estofos e armações com pregos dourados. Assim, foi possível reconstituir fielmente tanto os estofos do canapé e de seis cadeiras, como a armação do fogão de sala, obtendo um sofisticado e elegante efeito de “ouro sobre azul” que impressiona os sentidos.

Pormenores da Sala (Foto: JMS)

O aparato pretendido para esta divisão está diretamente ligado à sua função. A Sala de Visitas, conjuntamente com a Sala Verde e o Átrio da Sacristia, faziam parte da zona mais pública do Palácio. As visitas quotidianas de D. Fernando II e da Condessa d’Edla entravam pela porta do Átrio da Sacristia e aguardavam na Sala Verde, onde se encontrava o livro onde podiam assinar o seu nome. De seguida, eram recebidas, «de pé», na Sala de Visitas, mas apenas algumas eram convidadas a aceder às áreas mais privadas do palácio, dependendo do grau de proximidade com o monarca e a Condessa d’Edla, do assunto a tratar ou da causa da visita.

O projeto museográfico ficará concluído durante o presente ano com a colocação de algumas peças de mobiliário, que serão objeto de restauro, e com a aplicação de cortinas em veludo azulino.

Foto: José Marques Silva.

Continuar a ler

Atualidade

Leiria: PSP informa sobre cortes ao trânsito no âmbito da Corrida do Adepto 2023

Publicado

on

No âmbito da realização da Corrida do Adepto, que se realiza amanhã, dia 28 de janeiro, o Comando Distrital de Leiria da PSP informa que irão ocorrer os seguintes cortes ao trânsito:

Entre as 9h15 e as 12h00

. Rua do Estádio;

. Avenida Bernardo Pimenta;

. Ponte Euro 2004;

. Estrada da Estação e todos os arruamentos de ligação;

. A19 saída do Estádio e Rotunda da Almuinha Grande;

. Avenida 22 de Maio, apenas no sentido da Rotunda da Almuinha Grande – Rotunda Porta de Leiria;

. Rossio dos Borges;

. Parque de estacionamento do Jardim da Almuinha Grande – Nova Leiria.

A PSP agradece a colaboração e compreensão de todos pelos inconvenientes decorrentes dos referidos cortes de trânsito.

Imagem: PSP.

Continuar a ler

Atualidade

Reduzir custos é essencial para os retalhistas atraírem os consumidores mais prudentes dos nossos dias

61% dos consumidores estão preocupados com a sua situação financeira e 69% reduziram o valor das suas despesas com produtos/bens não-essenciais

Publicado

on

A segunda edição do estudo anual sobre as tendências do consumo do Research Institute da Capgemini, ‘What Matters to Today’s Consumer’, revela que 61% dos consumidores estão preocupados com a sua situação financeira, em particular os millennials (66%) e a Gen X (64%). Já os Baby Boomers (55%) estão menos apreensivos. Para quase metade (44%) dos inquiridos, a forma de resolver este problema é conter e reduzir o consumo (33% em novembro de 2020).  Segundo o estudo, o aumento do custo de vida, que se tem vindo a fazer sentir, impactou os hábitos e as preferências dos consumidores. Com efeito, o estudo constata que, embora as empresas de retalho continuem a enfrentar perturbações, devem transformar as suas operações para poderem oferecer produtos que estejam em consonância com as atuais expectativas dos consumidores, e que sejam menos dispendiosos, proporcionando-lhes poupanças através da sua redução de custos.

Mais de metade dos inquiridos reduziu as despesas não-essenciais

Os comportamentos nas compras também estão a mudar. De acordo com o estudo, que inquiriu 11.300 consumidores em 11 países, quase três quartos (73%) dos consumidores estão a fazer menos compras por impulso, enquanto 69% reduziram os gastos com produtos não-essenciais, tais como os dispositivos eletrónicos, os brinquedos e as idas aos restaurantes, além de adiarem a compra dos artigos de luxo. Atualmente poupar dinheiro tornou-se uma prioridade para a maioria das pessoas, e assim 64% dos consumidores inquiridos revelaram que compram os produtos em hipermercados e em lojas de descontos. Por seu turno, 65% compram produtos de marca branca ou de preços baixos.

“Atualmente as empresas do setor do retalho têm a oportunidade de repensar radicalmente a sua estratégia operacional de modo a conseguirem lidar com o atual ambiente de turbulência económica e encontrarem uma forma de fazerem os consumidores beneficiar com as reduções de custos que consigam fazer. Podem fazê-lo identificando novos fluxos de receitas, criando mercados novos, transformando as suas operações e otimizando custos, sem comprometerem os seus compromissos ambientais ou a experiência geral do cliente,” refere Lindsey Mazza, Global Retail Leader do Grupo Capgemini. “Os retalhistas podem aproveitar os benefícios oferecidos pelas tecnologias inteligentes no planeamento da procura, na gestão dos stocks e na automatização das operações para reduzirem custos, manterem margens e melhorarem a sua pegada ambiental.”

Consumidores já não estão disponíveis para pagar mais por produtos sustentáveis

A sustentabilidade continua a ser um critério importante no momento de o consumidor decidir em que loja comprar ou que marca adquirir. No entanto, apenas 40% dos consumidores em todo o mundo está agora disponível para pagar mais por um produto que seja sustentável, um valor bem abaixo dos 57% registados em 2020. O estudo sublinha que as marcas de bens de consumo e as empresas devem reavaliar as suas estratégias de fixação de preços, de modo a oferecerem opções sustentáveis, mas acessíveis aos consumidores, bem como programas de fidelização que lhes permitam enfrentar a atual crise enquanto constroem uma relação de longo prazo.

Retalhistas devem reposicionar estratégias operacionais para viabilizarem redução de custos, aumentarem da sustentabilidade e oferecerem experiências melhores aos clientes

Adicionalmente, as empresas também enfrentam outros desafios como o aumento do preço da energia, da mão-de-obra e dos custos de transporte. No entanto, 67% dos consumidores acreditam que as marcas e os retalhistas devem baixar os preços dos produtos que são essenciais para as suas famílias. O estudo revela que as empresas dos setores do retalho e dos bens de consumo terão de transformar as suas estratégias operacionais para otimizarem custos e satisfazerem as expectativas dos consumidores, tanto no que diz respeito à sustentabilidade dos produtos como ao bem-estar dos consumidores. Ao transformarem a forma como utilizam a mão de obra e apoiando-se em tecnologias que possibilitem a digitalização das cadeias de abastecimento e a automatização do armazenamento, as empresas podem melhorar, significativamente, as entregas no last mille e, assim, reduzirem custos.

Oportunidade para impulsionar o crescimento em novos canais através de estratégias personalizadas nas redes sociais

O estudo sugere que, aproveitando o poder dos influencers nas redes sociais, e lançando-se em novos canais de comunicação para chegarem aos clientes, as marcas podem desenvolver novos fluxos de receitas e de oportunidades de crescimento. Segundo o estudo, 70% dos consumidores que compram produtos nas redes sociais confessam que confiam nas opiniões dos influencers para escolherem e utilizarem produtos e partilham as suas próprias experiências e críticas. No caso da Gen Z esta tendência é evidente, com quase metade dos inquiridos pertencentes a este grupo (48%) a revelarem que descobrem os novos produtos através dos influencers, e com 32% a dizerem que os compraram.

Metodologia

O Capgemini Research Institute inquiriu mais de 11.300 consumidores com mais de 18 anos em 11 países, nomeadamente: Austrália, Canadá, Alemanha, Espanha, Estados Unidos, França, Itália, Japão, Holanda, Suécia e Reino Unido. Foram incluídos consumidores que realizaram compras de produtos alimentares e/ou de produtos de saúde e beleza nos seis meses precedentes. Os consumidores foram inquiridos para este estudo mundial entre outubro e novembro de 2022.

Foto: DR.

Continuar a ler

Mais lidas