Connect with us

Atualidade

Cientistas da Universidade de Coimbra comprovam eficácia de técnicas óticas no diagnóstico precoce de cancro

Publicado

on

Um estudo desenvolvido por uma equipa multidisciplinar da Universidade de Coimbra (UC) demonstrou que métodos de espectroscopia vibracional, técnicas não invasivas e altamente sensíveis, são eficazes na deteção precoce de cancro, a segunda causa de morte a nível mundial.

O estudo, designado “VIBSonCANCER – Diagnóstico de Cancro a Nível Molecular por Espectroscopia Vibracional”, é liderado por Luís Batista de Carvalho e Maria Paula Marques, da Unidade de I&D “Química-Física Molecular” da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC). Financiado pelo Programa Operacional do Centro, Portugal 2020 e União Europeia, através do FEDER, com 240 mil euros, o projeto tem a colaboração dos polos de Coimbra (IPO Coimbra) e do Porto (IPO Porto) do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil.

De uma forma geral, o projeto focou-se no desenvolvimento de métodos óticos de diagnóstico que podem usar radiação de laser ou de infravermelho (as chamadas espectroscopias de Raman e de infravermelho), com o objetivo de auxiliar os médicos na deteção precoce de cancro e avaliação de margens cirúrgicas.

Isto porque as atuais técnicas de diagnóstico, as designadas técnicas histopatológicas, se baseiam em alterações morfológicas, ou seja, na forma das células e no seu ambiente, o que permite ao patologista determinar se elas estão normais, displásicas (alteradas) ou neoplásicas (cancerígenas). As técnicas propostas no VIBSonCANCER, além de não serem invasivas, permitem obter informação química para além da morfológica, sendo que as alterações a nível químico podem preceder as variações da forma celular. Esta informação adicional pode ser essencial para o médico poder efetuar um diagnóstico rigoroso e precoce da doença.

“As nossas técnicas não substituem as atuais, nem o pretendem fazer. O que nós queremos é fornecer informação que não é possível obter por outros métodos. Com as técnicas espectroscópicas nós analisamos a composição química, ou seja, utilizamos na mesma um microscópio ótico, mas também outro tipo de equipamento que permite visualizar, mais do que a morfologia, a composição química. Ora, quando há alterações celulares, esta composição química varia primeiro do que a forma, por isso, facilita o diagnóstico precoce”, afirma Maria Paula Marques.

Enquanto, atualmente, só é possível avaliar a um nível morfológico, a técnica proposta pela equipa da FCTUC permite ver e analisar “alterações de composição química, por exemplo, de proteínas ou de lípidos. Trata-se de uma técnica que já entrou na clínica de alguns hospitais em países como os Países Baixos, a Inglaterra e o Canadá, em estudos piloto”, esclarece a docente da FCTUC.

Para avaliar a eficácia da espectroscopia vibracional, a equipa testou várias amostras de tecidos, as designadas amostras cirúrgicas que são retiradas a doentes com o seu consentimento, e também amostras de margens cirúrgicas, ou seja, tecido em torno dos tumores que já não será maligno. Os resultados foram muito positivos, demonstrando o elevado potencial destes métodos. “Conseguimos detetar diferenças de composição química entre o tecido maligno e não maligno. E dentro dessas diferenças, há alguns constituintes celulares e do tecido que variam mais, os chamados marcadores. Testámos vários tipos de tecido maligno e não maligno, como, por exemplo, de cancro de mama, de língua, de próstata e de colo do útero”, frisa a cientista.

Com os biomarcadores, a equipa vai poder apurar as técnicas, de modo a que sejam facilmente analisadas por qualquer clínico, mesmo que não seja espectroscopista, e poderem ser usadas no bloco operatório, por exemplo, para avaliar margens cirúrgicas intraoperativamente, ou quando se retiram biópsias fora do bloco, para distinguir se um tumor é maligno ou não. As margens cirúrgicas, explica Maria Paula Marques, representam um “grande problema para os cirurgiões. Quando retiram um tumor, os cirurgiões nunca podem ter a certeza absoluta da margem cirúrgica, sendo passível de erro. Atualmente, a percentagem de erro nessas margens tem valores ainda demasiado elevados”.

Em suma, conclui a cientista, este projeto pretende contribuir para o “desenvolvimento de técnicas de espectroscopia vibracional de vanguarda. A nossa abordagem aplica métodos mais sensíveis e não invasivos para detetar cancro precocemente de uma forma rápida, uma vez que a deteção precoce permite um maior sucesso da quimioterapia ou de outro tratamento, uma maior sobrevida e um melhor prognóstico de tipos de cancro que são muitas vezes difíceis de diagnosticar em fases muito iniciais, como é o caso do cancro do pulmão”.

Tendo em vista a translação da tecnologia para a clínica, os cientistas estão já a desenvolver um protótipo, esperando que estes métodos de diagnóstico mais rigorosos e não invasivos tenham um impacto importante no sucesso da quimioterapia e contribuam para o desenvolvimento de tratamentos personalizados com melhores prognósticos.

Para além de Luís Batista de Carvalho e Maria Paula Marques, a equipa inclui as investigadoras Ana Batista de Carvalho, Inês Pereira dos Santos, Adriana Mamede, Mariana Vide Tavares e o Dr. Paulo Figueiredo (IPO Coimbra).

Foto: UC.

Continuar a ler
1 Comment

1 Comment

  1. Isabel Dentinho

    Outubro 20, 2022 at 7:37 am

    Técnicas “óticas” são então, técnicas auditivas, não é?!… 🤣🤣🤣

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Atualidade

Miguel Barbosa, Francisco Ferreira e Filipe Castro vencem a 5ª edição do Minho Young Chef Awards

Com Ovo de Prisco, Cabrito em massa folhada e um cocktail de vinho verde, numa final decorreu a 26 de novembro na Expolima, em Ponte de Lima e que contou com 25 alunos de 12 escolas minhotas competiram no MYCA 2022.

Publicado

on

Miguel Barbosa, da Escola Amar Terra Verde; Francisco Ferreira, da Escola de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo, e Filipe Castro, da Escola Profissional de Esposende, são os grandes vencedores da 5ª edição do MYCA 2022 nas categorias de Pastelaria, Cozinha e Bar/Sala.

Miguel Barbosa, da Escola Amar Terra Verde, conquistou o júri, presidido pelo Chef António Alexandre, com a sobremesa “Ovo de Priscos”; Francisco Ferreira, da Escola de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo, na categoria de Cozinha, impressionou com o seu “Cabrito envolvido em massa folhada, com cenouras e cogumelos acompanhado de um puré de maçã porta da loja” e, finalmente, na categoria de Sala/Bar, Filipe Castro, da Escola Profissional de Esposende, foi o grande vencedor com um cocktail de vinho verde.

Nas meias-finais, que decorreram nos dias 22 e 23 de novembro, participaram 25 alunos, das 12 escolas inscritas da região do Minho. O júri presidido pelo Chef António Alexandre, Chef Executivo do Lisbon Marriott Hotel, foi constituído pelos Chefs Rui Rodrigues e Lígia Santos, pelos vencedores da edição do ano passado do MYCA, Beatriz Coelho, na categoria de Pastelaria; Tomás Marques na Cozinha e Joana Pereira na categoria Sala & Bar, e ainda, por Cristina Mendes, da Confraria do Arroz de Sarrabulho à moda de Ponte de Lima, e pelo jornalista Rui Miguel Graça.

Esta iniciativa foi promovida pelo Consórcio Minho Inovação, constituído pelas Comunidades Intermunicipais do Alto Minho, Cávado e Ave, em parceria com o município de Ponte de Lima. Esta iniciativa teve como objetivo promover a identidade gastronómica da região juntos dos jovens estudantes, assim como das escolas de hotelaria/restauração/bar, incentivando à inovação gastronómica, utilizando por base a cozinha tradicional minhota e os produtos locais.

O MYCA é um concurso que pretende elevar o prestígio destas profissões, que são a chave do sucesso do mundo da restauração e hotelaria, mas que procura, acima de tudo, tornar a formação nestas áreas cada vez mais atrativas nas camadas jovens.

Esta iniciativa foi apoiada pelo Norte 2020, no âmbito do projeto PA9. Enogastronomia: Sabores, Ofertas e Conhecimento da EEC PROVERE Minho Inovação.

Foto: DR.

Continuar a ler

Atualidade

Anadia: Assembleia Municipal aprova 1ª revisão da Carta Educativa

Publicado

on

A Assembleia Municipal de Anadia aprovou, na passada sexta-feira, 25 de novembro, a 1ª Revisão da Carta Educativa do Município, depois de a mesma ter recebido os pareceres favoráveis do Conselho Municipal de Educação de Anadia e do Ministério da Educação.

Este documento é um instrumento fundamental de planeamento e ordenamento de edifícios e equipamentos educativos, de acordo com as ofertas de educação e formação, assente num diagnóstico completo e participado por parte de todos os parceiros educativos.

A revisão da Carta Educativa, além de cumprir o legalmente estabelecido em termos de tempo de vigência da presente Carta Educativa do Município de Anadia, pretende dar resposta a possíveis desconformidades da atual oferta de rede escolar, através de observação e análise de indicadores demográficos, sociais e educacionais. O documento pretende ainda estabelecer linhas de desenvolvimento a seguir, no presente e no futuro, identificando as medidas que devem ser tomadas para melhorar a resposta a todos os processos de natureza educativa.

O plenário aprovou também a proposta de autorização para assunção de compromisso plurianual, e de aditamento ao Contrato Interadministrativo de Delegação de Competências do Serviço Público de Transporte de Passageiros, celebrado entre o Município de Anadia e a Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro.

Foto: CMA.

Continuar a ler

Atualidade

Inês Tralha apresenta método único de ensino do Surf

Pioneira na criação de uma escola de surf profissional em Portugal, a academia “Good Surf Good Love”, a treinadora apresenta um método de ensino único e personalizado, desenvolvido a partir da biomecânica e da neurociência

Publicado

on

Reconhecida em Portugal como uma referência do surf no feminino, Inês Tralha rapidamente ganhou projeção na sua trajetória no desporto. Tendo conquistado o primeiro lugar no campeonato nacional de surf feminino em 2000, foi também uma das primeiras atletas a competir numa equipa com um patrocínio (SIEMENS MOBILE), além de pioneira na criação de uma escola de surf profissional em Portugal, a Good Surf Good Love, atualmente em Peniche e em Santa Cruz, procurada por atletas, amantes do desporto e até curiosos do mundo inteiro.

Com mais de 20 anos de experiência dentro e fora de água, a treinadora profissional de surf reúne um conhecimento invejável na área, o que a levou a criar uma metodologia de ensino personalizada e única no setor, o METSIT – Método de Ensino e Treino de Surf Inês Tralha. Trata-se de uma técnica desenvolvida com base nas raízes da biomecânica e da neurociência, mas que, principalmente, leva em consideração as características e necessidades específicas de cada aluno, ao contrário da massificação que há no mercado relativamente às escolas de surf.

“Há algo de muito intuitivo no surf, mas também de muito técnico. Aprendi isso desde cedo, especialmente durante os meus treinos. Afinal, embora o mar não seja sempre igual, existe um padrão constante na forma como as ondas quebram. E foi este mesmo pensamento que me ajudou a desenvolver o meu método”, conta Inês Tralha que, entre as suas referências, consulta livros de peso na área, como “Fisiologia do Exercício: Energia, Nutrição e Desempenho Humano”, “Neuroscience for Learning and Development” e “Peak – The New Science Of Athletic Performance That Is Revolutionizing Sports”.

Licenciada em Educação Física e Desporto pela Universidade Lusófona e com uma Pós-Graduação em Surf pela Faculdade de Motricidade Humana, a treinadora de surf conjuga um tipo de conhecimento mais científico com as especificações de cada aluno, desenvolvendo assim um ensino altamente personalizado e rigoroso a partir uma bateria de testes que definem os focos de atenção na aprendizagem.

“O meu método de ensino é muito mais personalizado, focado e detalhado do que é encontrado no mercado, indo ao encontro das necessidades, características e histórico específicos dos alunos. Faço questão de observar e registá-los enquanto praticam. Consigo detetar o que tem de ser ajustado, o que pode ser melhorado, adaptando o treino em específico para aquela situação em particular. Muitas vezes são detalhes muito pequenos, mas que fazem toda a diferença, assim como perceber os hábitos que trazem de outros desportos que praticam, ou praticavam anteriormente, para reconstruirmos novas habilidades a partir deles. Daí a importância de eu os conhecer em particular e com profundidade”, acrescenta.

A preocupação da treinadora de surf passa por apresentar um cuidado imenso com o processo de aprendizagem, principalmente nos adultos. “Sempre fui apaixonada por biomecânica, fisiologia do esforço, teoria e metodologia do treino, cinesiologia e didática. Mas, mais recentemente, o meu foco de estudo tem sido na área da neurociência, pois eu queria entender como realmente funciona o processo químico da aprendizagem. Na universidade, aprendi tudo sobre as várias etapas do desenvolvimento e da adaptação motora e cognitiva das crianças, mas não nos ensinaram sobre o processo de aprendizagem dos adultos, algo extremamente importante para poder disponibilizar aulas de surf com excelência”.  

Sobre a “Good Surf, Good Love

Localizada na Praia do Baleal, em Peniche, um dos principais spots do surf em Portugal, a academia “Good Surf, Good Love”, fundada pela treinadora e surfista Inês Tralha, está aberta ao público o ano inteiro, com vários programas disponíveis, que abrange desde atletas de alta competição, a iniciantes e curiosos do desporto, com idades que podem variar entre os 6 e os 60 anos. Com uma metodologia única no mercado, esta academia de surf recebe alunos de todo o mundo, que a procuram especificamente pelo método de ensino criado por Inês Tralha, já conhecido a nível mundial.  A “Good Surf, Good Love” é a representação de Inês Tralha no seu estado mais puro: fiel à cultura e ao estilo de vida do surf.

Foto: DR.

Continuar a ler

Mais lidas