Connect with us

Atualidade

Escalada dos preços: Confederação Nacional da Agricultura considera medidas do Governo insuficientes

Organiza ação de protesto em Braga, no próximo dia 24 de março

Publicado

on

A CNA – Confederação Nacional da Agricultura considera as medidas, anunciadas pelo Governo para mitigar efeitos da seca e a escalada dos custos de produção, insuficientes e incapazes de travar a especulação.

Por esses motivos, “entre outros”, a CNA decidiu a organizar uma Ação de Protesto em Braga, a 24 de março, “em defesa da Produção Nacional, da Agricultura Familiar e da Soberania Alimentar do país”, salienta.

Hoje mesmo, lançou um comunicado, que chegou às redações, onde explica o porquê desta sua decisão. Segue o mesmo, na íntegra:

«TARDAM OS APOIOS À PRODUÇÃO – ENQUANTO LUCRA A ESPECULAÇÃO

São insuficientes as medidas para mitigar efeitos da seca e escalada dos custos de produção

As medidas anunciadas pela Ministra da Agricultura para fazer face à seca e aos efeitos do conflito na Ucrânia são manifestamente insuficientes para acudir à grave situação dos agricultores, que necessitam, no imediato e urgentemente, de ajudas a fundo perdido para salvar as explorações

O Governo e o Ministério da Agricultura não podem continuar com o ilusionismo político da já conhecida propaganda dos milhões para a agricultura. A antecipação das ajudas da PAC, ainda que positiva, trata-se de dinheiro que já é dos agricultores por direito, não é extraordinário, é apenas antecipado. No final da campanha, o resultado financeiro é o mesmo e, assim, não se recupera a perda de rendimentos que se vai acumulando. Além do mais, registe-se que, nos últimos anos, as ajudas têm sido sempre adiantadas, pelo que isso não constituiu qualquer novidade. Por sua vez, as anunciadas linhas de crédito de milhões só irão agravar o endividamento de um sector já estrangulado, sobretudo as pequenas e médias explorações.

Para além das derrogações, de créditos ou projetos de investimento para o futuro, os agricultores precisam urgentemente de ajudas a fundo perdido pela perda de rendimento e capazes de repor o potencial produtivo perdido.

Com culturas de outono/inverno perdidas, com explorações pecuárias a desfazerem-se de animais reprodutores por não terem meios para os alimentar, são muitos os agricultores que, face às despesas crescentes e incomportáveis, e num clima de instabilidade, receiam avançar com as culturas de primavera/verão. Isto significa o fim mais do que provável das muitas explorações. Com menos explorações, será cada vez maior a dependência externa em bens agro-alimentares. A Soberania Alimentar do país fica, cada vez mais, comprometida, numa altura em que o caminho deveria ser o inverso.

É, ainda, preciso melhorar a distribuição de valor ao longo da cadeia. O “bom senso” na fixação dos preços tem de imperar naqueles que, mesmo antes da atual crise, já ficam com grande maioria do valor gerado nas fileiras dos produtos agro-alimentares, a grande distribuição. A CNA recorda que os agricultores ficam com menos de 20% desse valor. Por isso, pagar um preço justo aos agricultores não tem que, invariavelmente, resultar num aumento de preço ao consumidor.

É urgente travar a especulação com o preço dos factores de produção

Como a CNA teve oportunidade de afirmar, segunda-feira, numa reunião do Ministério da Agricultura com as Confederações, os prejuízos que se somam nas explorações agrícolas devido à seca têm sido brutalmente agravados pela escalada de especulação com os preços dos fatores de produção (energia, rações, fertilizantes, equipamentos…), com particular destaque para os combustíveis.

O Governo tem de travar a especulação! Se o petróleo, que agora está a ser refinado, foi comprado a preços muito inferiores aos atuais, se não há escassez no mercado, como se justifica a escalada brutal de preços? O gasóleo agrícola já duplicou de preço só no último ano!

Em tempos extraordinários são necessárias medidas extraordinárias. Além da isenção ou redução de tributação em sede de Imposto sobre Produtos Petrolíferos para o gasóleo agrícola, deve ser encarada pelo Governo a imposição de um teto máximo nos preços dos combustíveis e a regulação do mercado que, neste momento, só favorece as grande empresas petrolíferas.

Não se pode admitir que, enquanto as empresas de combustíveis apresentam lucros milionários, o Governo fique à espera de autorizações de Bruxelas para mexer nos impostos sobre os combustíveis ou para qualquer outra alteração.

AÇÃO DE PROTESTO – BRAGA, 24 de Março, 11 horas

A situação grave do setor exige medidas urgentes. Por outras e melhores políticas agro-rurais, a CNA promove uma iniciativa de protesto em Braga, a 24 de março, por ocasião da abertura da Feira AGRO, e apela à participação nesta iniciativa!

Vamos reclamar ao Governo o escoamento a preços justos para a produção agrícola e florestal nacional, o combate à especulação com o preço dos fatores de produção e a defesa dos rendimentos dos agricultores!

Os agricultores têm de fazer ouvir a sua voz, em defesa da Produção Nacional, da Agricultura Familiar e da Soberania Alimentar do País! Podem contar com a CNA e Filiadas!»

Foto: DR.

Atualidade

Ministra da Saúde garante construção do novo Hospital de Barcelos

Entrega de 15 viaturas elétricas às equipas de saúde do Concelho

Publicado

on

“Palavra dada é palavra honrada”. Foi desta forma que a Ministra da Saúde garantiu, ontem, a construção do Novo Hospital de Barcelos, no decorrer da cerimónia do auto de transferência de 15 viaturas para o Município de Barcelos, destinada às unidades de saúde do concelho.

A Ministra, Ana Paula Martins, respondia, assim, ao Presidente da Câmara, que, no uso da palavra, indagou sobre as intenções do Governo, relativamente à nova unidade do hospital barcelense. Mário Constantino Lopes pediu desculpa à Ministra pela “deselegância”, mas afirmou que os barcelenses não o “perdoariam” se não aproveitasse a presença da governante para saber das intenções do novo Governo, sobre um assunto que é “um desígnio central dos barcelenses, unânime entre todas as forças políticas”.

Na resposta, a Ministra da Saúde foi taxativa: o Governo vai cumprir a palavra e vai avançar com o processo de construção do novo Hospital de Barcelos. E como forma de garantia, Ana Paula Martins parafraseou o Primeiro-Ministro, Luís Montenegro: “palavra dada é palavra honrada. Posso anunciar-vos que vamos finalizar o processo de arquitetura e preparar o lançamento do concurso do Hospital de Barcelos. O atual Governo, liderado pelo Primeiro-Ministro, Luís Montenegro, tem um único lema e que nos faz todos os dias recordar: palavra dada é palavra honrada, contem connosco, nós contamos convosco”, garantiu a governante.

15 viaturas elétricas vão servir Unidades de Saúde de Barcelos

As 15 Unidades de Saúde de Barcelos: 10 USF – Unidades de Saúde Familiar; 3 UCSP – Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados; e 2 UCC – Unidades de Cuidados na Comunidade receberam hoje 15 viaturas elétricas, destinadas às equipas que prestam cuidados de saúde primários.

Cada viatura será equipada com um computador portátil para registar dados clínicos em tempo real, além de já estarem preparadas para o acondicionamento de resíduos contaminados resultantes da atividade domiciliária.

A entrega destas viaturas visa reforçar a capacidade de prestação de cuidados de saúde no domicílio, contribuindo para uma resposta mais eficiente às necessidades da população.

A aquisição destas viaturas resultou de uma candidatura ao PRR feita pela ARS Norte, no valor de cerca de meio milhão de euros.

O Presidente daquela entidade sublinhou “a importância dos cuidados de saúde primários, afirmando que “cada equipa gasta em média quatro a seis horas/dia nas visitas que faz aos doentes”. Vincando que este passo é muito importante para a qualidade dos serviços, Carlos Nunes salientou o impacto muito positivo que esta medida vai ter nos trabalhos dos profissionais de Saúde.

Viaturas entregues (Foto: CMB)

Unidades Funcionais do Município de Barcelos que receberam viaturas elétricas:

• UCSP Vila Cova

• UCSP Sequeade

• USF Santo António

• USF Lígios

• UCC Barcelinhos

• USF São Brás

• USF Cávado Saúde

• UCSP Fragoso

• UCC Barcelos Norte

• USF Barcel Saúde

• USF Calécia

• USF Bom Caminho

• USF Alcaides de Faria

• USF Martim

• USF Viatodos

Fotos: CMB.

Continuar a ler

Atualidade

Barcelos: Câmara promove Dia Mundial da Criança com jogos tradicionais na natureza de 27 a 29 de maio

Publicado

on

“Brincadeiras sem Tempo” é o mote para a celebração do Dia Mundial da Criança 2024, promovida pelo Município de Barcelos, entre os dias 27 e 29 de maio, no Centro Hípico Irmão Pedro Coelho, localizado em Areias de Vilar. Durante três dias, os alunos da Educação Pré-Escolar e do 1.º Ciclo do Ensino Básico das escolas públicas do concelho, que se inscreveram nesta iniciativa, vão viver uma autêntica aventura na natureza, numa grande operação que mobiliza todos os serviços municipais.

Jogos tradicionais, como o jogo do lencinho, saltar à corda, corrida de sacos, jogo do elástico, jogo do mata, jogo do galo, barra do lenço, entre muitos outros, são algumas das atividades preparadas para os mais de 2.500 alunos das escolas do concelho, entre o Pré-Escolar e o 1.º Ciclo, que assim terão a oportunidade de experimentar, de forma lúdica e divertida, todos os jogos tradicionais, em ambiente recreativo e de grande convívio.

Para esse efeito, a Câmara de Barcelos preparou um programa especial que integra atividades que privilegiam o brincar na natureza, proporcionando às crianças momentos agradáveis, durante os quais serão desenvolvidos jogos em sistema rotativo. Paralelamente, as crianças também vão poder participar num diversificado programa de outras atividades, como oficinas variadas, ateliês e espetáculos.

Nestes três dias, a Câmara Municipal de Barcelos assegura o transporte das crianças das suas escolas e jardins de infância para o Centro Hípico, fornecendo também um lanche a todos os alunos.

Imagem: CMB.

Continuar a ler

Atualidade

Barcelos: Câmara Municipal promove oficinas participativas para o Plano Municipal de Ação Climática

Publicado

on

A Câmara Municipal de Barcelos promove diversas oficinas participativas para a elaboração do Plano Municipal de Ação Climática (PMAC), na próxima segunda-feira, 27 de maio, no Auditório da Biblioteca Municipal (de manhã), e na Casa da Criatividade (de tarde).

Estas sessões assinalam o processo participativo entre o Município e as partes interessadas da sociedade civil, nomeadamente os parceiros sociais e económicos locais, no âmbito da elaboração do PMAC, um documento estratégico que definirá as políticas a médio e longo prazo, na gestão das questões das alterações climáticas e neutralidade carbónica.

Ao longo da manhã, no Auditório da Biblioteca Municipal, uma equipa técnica da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa avançará com projeções e riscos climáticos no Município de Barcelos e medidas de mitigação e adaptação de forma a minimizar os impactos das alterações climáticas. A sessão será pública, decorre das 10h às 12h30, e abre espaço para a interação com os participantes, com o objetivo de recolher opiniões sobre os resultados e sugestões adicionais de medidas de mitigação e adaptação especificamente direcionadas para o Município.

Depois de apresentados os resultados relativos aos contributos para o “Plano Municipal de Ação Climática de Barcelos” (PMACB), ao longo da tarde realiza-se, na Casa da Criatividade, uma sessão restrita a decisores-chave e entidades relevantes para o Município, focada na priorização das medidas de mitigação e adaptação propostas, bem como na(s) estratégia(s) possíveis para a sua implementação.

Os PMAC constituem um novo instrumento da política climática que cabe à Agência Portuguesa do Ambiente, I.P., propor, desenvolver e acompanhar a execução das políticas de ambiente, nomeadamente no âmbito do combate às alterações climáticas.

Foto: DR.

Continuar a ler

Mais lidas