Connect with us

Atualidade

Estudo anual sobre Ética e Trabalho Híbrido em Portugal em discussão na Católica Porto Business School

No dia 22 de novembro, pelas 17h00, na Católica Porto Business School

Publicado

on

Depois de dois anos em que a maioria das empresas se viu obrigada a alterar o seu modelo de trabalho devido à pandemia, passando do tradicional formato presencial para o trabalho remoto, acredita-se que até 2030, metade das pessoas passarão a trabalhar a partir de casa e, por sua vez, as interações dos trabalhadores nas empresas irão sofrer mudanças. Isto é o que revela o estudo anual do Fórum de Ética da Católica Porto Business School sobre “Ética e Trabalho Híbrido” que será apresentado e discutido na Instituição no próximo dia 22 de novembro.

As interações entre os membros das empresas irão sofrer alterações nos próximos anos. A verdade é que já temos vindo a assistir a algumas dessas alterações desde o início da pandemia, no entanto, segundo este estudo anual, sob o mote “Ética e Trabalho Híbrido” “pensa-se que, até 2030, metade das pessoas trabalharão a partir de casa e, por isso, as interações entre os membros da organização mudarão em frequência, tempo e método, o que terá implicações profundas na gestão da ética e da compliance”, como refere Helena Gonçalves, coordenadora do Fórum de Ética da Católica Porto Business School.

Salienta, ainda, que “embora sendo um estudo exploratório, há algumas certezas: 4 em cada 5 pessoas trabalharão a partir de casa numa parte de semana; a autenticidade nas relações laborais estimulará a produtividade e o bem-estar, mas com impacto desigual na prosperidade ou sobrevivência das pessoas, dependendo do tipo de trabalho, idade ou situação familiar; um dos mais fortes preditores comprovados da eficácia das equipas, a segurança psicológica, terá de ser repensado”.

Após análise dos mais de 1200 inquéritos respondidos, anonimamente, serão apresentados na conferência no próximo dia 22 de novembro, na Católica Porto Business School, os principais resultados deste estudo, que ficam registado num livro coletivo e num inquérito, complementados também com reflexões e testemunhos académicas e empresariais. “A realização do inquérito, “Ética e Trabalho Híbrido: no Rescaldo da Pandemia”, permitiu obter dados importantes e interessantes sobre o nível satisfação com o modelo de trabalho híbrido, sobre as principais motivações, dificuldades e oportunidades subjacentes à adoção deste modelo. Quando confrontados com a questão sobre o impacto do modelo de trabalho nas dimensões da saúde e bem-estar, verifica-se que, num universo de 1226 respondentes, há uma perceção de melhoria muito mais significativa nos que estão a trabalhar em modo híbrido. De facto, cerca de 70% dos que estão em trabalho híbrido percecionaram melhorias a nível financeiro, mental e físico em comparação com apenas cerca de 20% dos que estão em modo presencial.  Na dimensão social as diferenças não são tão significativas (54% vs 38%)” sublinha Helena Gonçalves.

A conferência contará com a presença de Rui Sousa, Dean da Católica Porto Business School; Helena Gonçalves, Helena Gil da Costa, Henrique Manuel Pereira e Susana Magalhães, coordenadores do Estudo e Inquérito Ético e Trabalho Híbrido: no Rescaldo da Pandemia”.

Haverá, ainda, espaço para uma mesa-redonda sobre “Ética e Trabalho Híbrido: Perspetivas em Diálogo com moderação de Sofia Salgado Pinto, docente da CPBS e Administradora Independente em empresas cotadas que contará com as presenças de Gonçalo Quadros, Fundador e Chairman da CRITICAL SOFTWARE; José Teixeira, Presidente do Conselho de Administração do DSTGROUP; Maria Manuel Araújo Jorge, Investigadora no Instituto de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Sofia Reis Jorge, Administradora da ALTRI.

O Fórum de Ética é um espaço de encontro e reflexão sobre ética organizacional que tem como principais objetivos: desenvolver e apoiar a reflexão sobre ética empresarial; promover a troca de experiências entre organizações; criar conhecimento no domínio da ética no contexto português e apoiar a gestão do desempenho ético por parte das empresas. É constituído por elementos de empresas com elevada senioridade e pessoas com experiência comprovada na área que em conjunto refletem e debatem sobre temas relacionados com a Ética do Trabalho.

A conferência decorre a 22 de novembro, entre as 17h00 e as 19h30 e entrada no é livre, mediante inscrição previa até dia 21 de novembro.

Agenda

17h00: Boas-vindas: Rui Sousa, Dean da Católica Porto Business School

17h10: Apresentação do Fórum de Ética: Helena Gonçalves, coordenadora do Fórum

17h20Ethical Hybrid Workplace: Challenges and OpportunitiesMuel Kaptein, Erasmus University Rotterdam*

18h00: Enquadramento e apresentação do Estudo “Ética e Trabalho Híbrido”: Helena GonçalvesHelena Gil da CostaHenrique Manuel Pereira e Susana Magalhães, coordenadores do Estudo**

  •  Resultados do Inquérito “Ética e Trabalho Híbrido: no Rescaldo da Pandemia”
  •  Livro Coletivo Proximidades e Distâncias: Desafios Éticos do Trabalho Híbrido

18h30: Mesa-redonda “Ética e Trabalho Híbrido: Perspetivas em Diálogo”: moderação de Sofia Salgado Pinto, docente da CPBS, Administradora Independente em empresas cotadas

  • Gonçalo Quadros, Fundador e Chairman da CRITICAL SOFTWARE
  • José Teixeira, Presidente do Conselho de Administração do DSTGROUP
  • Maria Manuel Araújo Jorge, Investigadora no Instituto de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto
  • Sofia Reis Jorge, Administradora da ALTRI

19h30: Encerramento e Porto d´Honra

Para mais informações e inscrição no evento, consulte:

https://www.porto.ucp.pt/pt/central-eventos/conferencia-anual-forum-etica-catolica-porto-business-school

https://inqueritos.porto.ucp.pt/catolicabs/index.php?r=survey/index&sid=124592 .

Imagem: CPBS.

Atualidade

Barcelos: Prémio Palco de Terra para o Teatro Escoitade e Manuel Ramos Costa

Atribuído pelo Teatro de Balugas

Publicado

on

O Teatro Escoitade, de Vigo, foi premiado, na categoria “Instituição”, pelo trabalho desenvolvido ao longo de 50 anos na dinamização e promoção do teatro amador na Galiza. Na categoria “Personalidade”, a distinção foi para o ator e encenador Manuel Ramos Costa, por uma vida dedicada ao teatro amador, em especial, na Contacto – Companhia de Teatro Água Corrente de Ovar.

Os Prémios PALCO DE TERRA são uma iniciativa da companhia Teatro de Balugas, de Balugães – Barcelos, cuja primeira edição se realizou em 2017. São galardões concedidos anualmente para reconhecer e agradecer o trabalho e o esforço de pessoas e instituições, no âmbito do teatro realizado no meio rural e da criação artística sobre o Norte de Portugal e Galiza.

A cerimónia de entrega acontece no dia 11 de dezembro, às 16h30, no auditório da Junta de Freguesia de Balugães (Barcelos), que encerra o Palco de Terra – Festival de Teatro Amador do Noroeste Peninsular.

O ator, encenador e dramaturgo Fernando Pinheiro foi o vencedor da primeira edição, em 2017, e entre os galardoados estão ainda os nomes do Cénico Lírio do Neiva (2018), Núcleo Promotor do Auto da Floripes 5 de Agosto (2019), Dantas Lima (2019), Teatro do Noroeste-CDV (2020), Orlando Alves (2020), Programa CREARTE – Crescimento da Arte Teatral em Esposende (2021) e Maria Laura Pinto (2022).

Imagens: TB.

Continuar a ler

Atualidade

Estremoz recebe concerto com a Banda Sinfónica da PSP

A 07 de dezembro, pelas 21h30, no Teatro Bernardim Ribeiro

Publicado

on

O Comando Distrital da PSP de Évora, através da sua Esquadra Policial de Estremoz e em Parceria com a Câmara Municipal daquela cidade, vai, no próximo dia 07 de dezembro, pelas 21h30, promover um Concerto com a Banda Sinfónica da PSP, no Teatro Bernardim Ribeiro.

Este evento vai ser realizado para comemorar o 5º Aniversário dos Bonecos de Estremoz na UNESCO, tratando-se, simultaneamente, de um concerto solidário de angariação de fundos para a CERCI Estremoz.

A Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública teve origem num agrupamento de elementos policiais com conhecimentos de música que pertenciam ao então Comando Distrital da PSP de Lisboa – atual Comando Metropolitano.

A partir de 1979, sob a Chefia do Major Silvério de Campos, aquele agrupamento evolui para um estágio de absoluto desenvolvimento artístico, o que permitiu concretizar a realização de um velho sonho de todo o pessoal da Polícia de Segurança Pública – integrar no seu efetivo uma Banda Sinfónica oficial.

O reconhecimento público do seu mérito é notório, tendo já atuado nos mais distintos auditórios nacionais, tais como: Teatro Nacional de S. Carlos, Fundação Calouste Gulbenkian, Centro Cultural de Belém, entre muitos outros, para além de ter participado em programas de Rádio e Televisão.

“Este comando espera que este evento se constitua como um excelente espetáculo, que para além da qualidade, tem uma componente solidária importante para a nossa comunidade, pois, além de não ficarmos indiferentes, todos devemos dizer NÃO à diferença”, salienta em nota.

“Ter consciência, educação, saber respeitar e saber lidar com as diferenças e incapacidades, não discriminando, cabe a todos enquanto cidadãos. A PSP e o Comando Distrital de Évora pretendem, assim, contribuir para a segurança e a integração destes cidadãos”, conclui.

Imagem: PSP.

Continuar a ler

Atualidade

Município de Anadia admitido como membro honorário do Comité Olímpico de Portugal

Publicado

on

A Câmara Municipal de Anadia foi admitida como membro honorário do Comité Olímpico de Portugal (COP). A proposta foi aprovada na última assembleia geral do COP que decorreu esta semana.

Para o vice-presidente da Câmara Municipal, Jorge Sampaio, esta admissão “é motivo de grande orgulho para o Município de Anadia”, sublinhando que esta decisão “é o reconhecimento de todo o trabalho que a autarquia tem vindo a realizar, ao longo dos últimos anos, em prol do desporto de alto rendimento nacional e mundial”.

Jorge Sampaio salienta que “mais de 60 países já passaram pelo concelho, nomeadamente pelo Centro de Alto Rendimento de Anadia, para realizarem os seus treinos de preparação para os Jogos Olímpicos e outras provas internacionais”.

O autarca deixa ainda um agradecimento público à Federação Portuguesa de Ciclismo pela iniciativa da proposta, e, ao Comité Olímpico de Portugal, por ter aprovado, por unanimidade, “a proposta de admissão de sermos membro honorário, o que muito nos honra”.

Foto: CMA.

Continuar a ler

Mais lidas