Connect with us

Atualidade

Viana do Castelo: Exposição das Comemorações dos 100 anos da Travessia Aérea do Atlântico Sul destaca “glória” de feito português

Publicado

on

Esta terça-feira, foi inaugurada, nos Antigos Paços do Concelho de Viana do Castelo, a Exposição Itinerante das Comemorações dos 100 anos da Travessia Aérea do Atlântico Sul. O Presidente da Câmara Municipal, Luís Nobre, o Diretor do Museu de Marinha, Comodoro José Croca Favinha, e o Subdiretor do Museu do Ar, Tenente-coronel Rui Rosa, marcaram presença no arranque da mostra, que fica patente no rés-do-chão do edifício até dia 03 de julho.

Ainda neste âmbito comemorativo do notável feito português alcançado por Gago Coutinho e Sacadura Cabral, no próximo domingo, dia 26 de junho, às 18h00, a Praça da República acolhe um Concerto da Banda da Armada, numa organização da Marinha Portuguesa – Estado Maior da Armada que conta com o apoio do Município.

Na abertura da exposição, o edil vianense destacou o feito “muito relevante e de afirmação de Portugal”. “Decidimos associar-nos devido à relevância e significado desta travessia. Mesmo sendo Portugal um pequeno país, tivemos atos heroicos como este, que incluiu entrar numa aeronave e atravessar o Atlântico há cem anos”, realçou, dizendo que “temos a obrigação de reconhecer e valorizar este momento que projetou o país”.

Luís Nobre destacou a “audácia” de personalidades portuguesas que, tal como Gago Coutinho e Sacadura Cabral, foram “à procura do desconhecido, à descoberta do mundo”. “Temos obrigação de ter orgulho e de projetar estes acontecimentos”, reforçou.

“Foi um grande feito de Portugal, por dois portugueses, e esta exposição é também uma forma de mostrarmos à sociedade vianense um momento de glória do nosso país, valorizando toda a capacidade que o povo português tem tido de vencer em momentos difíceis”, realçou o responsável, assegurando que todas as escolas vianenses, de todos os níveis de ensino, vão ser desafiadas a visitar esta exposição.

Já o Diretor do Museu de Marinha, Comodoro José Croca Favinha, referiu que Viana do Castelo “é uma cidade que todos os marinheiros conhecem bem”, mostrando-se satisfeito por trazer a exposição à capital do Alto Minho. “Esta exposição itinerante quer mostrar aos portugueses como foi promovido este feito aéreo há 100 anos e tem percorrido várias cidades do país. Claro, não podíamos deixar de a trazer a Viana do Castelo, uma cidade com grande história marítima e grande ligação à Marinha”, declarou.

“Esta exposição é constituída por 18 painéis que procuram contar de forma sintética esta aventura e dá-la conhecer a quem nunca teve oportunidade de se debruçar sobre o tema, de modo a preservar a sua memória”, frisou o Diretor do Museu de Marinha.

Já Subdiretor do Museu do Ar, Tenente-coronel Rui Rosa, explicou que a exposição “está compartimentada por áreas temáticas, desde o início, a descrição dos protagonistas que são os nossos heróis, todos os momentos que antecederam a viagem, a preparação, o estudo. Depois temos a travessia propriamente dita e, no final, temos uma revista de imprensa que nos demonstra como a imprensa da altura destacou este feito”, revelou.

“Eles foram praticamente os pioneiros da aviação em Portugal, foram os pioneiros a 100% na navegação aérea e através dos conhecimentos deles muito se aprendeu nos anos vindouros”, reforço Rui Rosa.

Recorde-se que o início do projeto da Travessia Aérea do Atlântico Sul teve lugar em 1919, por ocasião da visita do Presidente do Brasil a Portugal, quando Sacadura Cabral lançou a ideia de comemorar o primeiro centenário da independência do Brasil, em 1922, realizando uma viagem aérea entre Lisboa e o Rio de Janeiro.

Para que esta esta viagem pudesse ser concretizada, era necessário criar-se um método de navegação que permitisse pilotar a aeronave com precisão sobre a imensidão do oceano. Com essa finalidade, Gago Coutinho adaptou ao Sextante um horizonte artificial e desenvolveu, em colaboração com Sacadura Cabral, o corretor de rumos, que permitia calcular graficamente o ângulo entre o eixo longitudinal da aeronave e o rumo a seguir, considerando a intensidade e direção do vento.

O novo método foi testado na viagem Lisboa-Madeira em 1921, que foi concluída em cerca de sete horas e meia e demonstrou a precisão destes inovadores instrumentos que iriam ser determinantes para o sucesso da travessia aérea do Atlântico Sul.

A 30 de março de 1922, deu-se início à primeira travessia aérea do Atlântico Sul, protagonizada pelo Almirante Gago Coutinho e pelo Comandante Sacadura Cabral a bordo do hidroavião Fairey III, batizado “Lusitânia”, tendo como destino final o Rio de Janeiro. 

Foi uma viagem bastante atribulada, onde foram utilizadas três aeronaves. Depois de percorridas 4527 milhas em 62 horas e 26 minutos, os heroicos oficiais foram recebidos em festa pela população do Rio de Janeiro, a 17 de junho de 1922. 

Estava, assim, concluída a primeira travessia aérea do Atlântico Sul pelos oficiais de Marinha Gago Coutinho e Sacadura Cabral.

Foto: CMVC.

Atualidade

Liga MEO Surf: Halley Batista eleva o nível no arranque do Allianz Ribeira Grande Pro

Publicado

on

A praia do Areal de Santa Bárbara foi o palco do dia inaugural do Allianz Ribeira Grande Pro, a quarta e penúltima etapa da Liga MEO Surf 2022, naquele que é o regresso dos melhores surfistas nacionais aos Açores após 13 anos. Uma jornada marcada por performances de elevado nível, com destaque, sobretudo, para Halley Batista, mas também para Eduardo Fernandes e Frederico Morais, do lado masculino. Na prova feminina, foi Teresa Bonvalot a mostrar que não quer perder a oportunidade de garantir o título nacional já em São Miguel, fazendo o melhor score feminino do dia.

A ação iniciou-se bem cedo, ainda antes das 7 horas, com a prova masculina a ir primeiro para a água. Uma manhã de condições difíceis, com alguns surfistas açorianos em evidência rumo à ronda 2. Depois de Vasco Ribeiro e Pedro Coelho terem vencido os primeiros heats do dia, no heat 3, o destaque foi para o 2º posto do campeão regional açoriano Diogo Viegas, numa bateria vencida por Arran Strong.

Com surfistas locais presentes desde o heat 2 até ao 7, este era apenas o primeiro sinal do que estava para vir. No heat 5, o wildcard Francisco Benjamim surpreendeu toda a concorrência, ao somar 9,80 pontos e vencer uma bateria em que Tomás Fernandes ficou no 2º posto. O sucesso açoriano prolongou-se no heat 7, onde o maior representante da região, o top nacional Jácome Correia, também conseguiu vaga na fase seguinte. Curiosamente, Francisco e Jácome vão cruzar-se na próxima fase, onde ambos vão lutar por uma presença na ronda 3.

Francisco Benjamim (Foto: Jorge Matreno)

De seguida, foi a vez do líder do ranking, Halley Batista, assumir as rédeas do espetáculo. Depois de 7,75 pontos de “aquecimento”, o detentor da licra amarela Go Chill voou bem alto para um aéreo que lhe rendeu 9 pontos. Além da melhor onda do dia, Halley ainda conseguiu o melhor score, com 16,75 pontos. Uma performance que comprova a vontade do surfista algarvio em não largar a liderança do ranking, depois de a ter conquistado com o triunfo na etapa da Ericeira.

Após a realização de oito heats, a ação parou a meio da manhã, devido à ação da maré, regressando duas horas mais tarde, já ao início da tarde, com mais uma mão cheia de heats para terminar a ronda inaugural masculina. Eduardo Fernandes, com 12,25 pontos, foi outro dos vencedores do dia, relembrando todos a razão de já ter sido vencedor desta etapa, em 2008.

No 16º, e último heat do dia, foi a vez do último vencedor de uma etapa do circuito nacional nos Açores, Frederico Morais, a também elevar o nível. Numa super bateria em que esteve a disputar o primeiro posto com Afonso Antunes até bem perto do final, Kikas somou 13,80 pontos contra 11,35 do atual número 3 nacional, para fechar a ronda da melhor forma.

A ação prosseguiu com a ronda inaugural feminina, onde foram as top seeds a darem mais nas vistas. Depois de triunfos de Matilde Pinto e Carolina Santos nos primeiros heats, a terceira bateria da ronda ofereceu uma disputa animada entre Carolina Mendes e Camilla Kemp, com Camilla a segurar o triunfo, com 11,50 pontos, contra 10,60 de Carol.

No entanto, a melhor performance do dia estava guardada para o heat seguinte, onde Teresa Bonvalot entrou com tudo em prova. A atual número um nacional somou 14,25 pontos, carimbou um triunfo incontestável e ficou uma ronda mais perto de carimbar o título nacional feminino de forma antecipada. Caso chegue à final nos Açores, Teresa garante o quarto título da carreira e a exibição com que presentou o público açoriano esta sexta-feira mostra que não será surpresa se o conseguir.

Teresa Bonvalot (Foto: Jorge Matreno)

Até final deste dia 1 do Allianz Ribeira Grande Pro, destaque para os triunfos de Érica Máximo e Maria Salgado a fechar a ronda inaugural feminina. Algo que ajudou a definir que, na próxima ronda, Teresa Bonvalot vai ter pela frente Érica Máximo e Beatriz Costa no heat 3.

Para este sábado, há nova chamada marcada para as 6h30, com previsões de ondas idênticas à deste dia inaugural. Um segundo dia de ação, que vai servir para alinhar os candidatos a marcarem presença no dia final e na disputa pelos triunfos deste Allianz Ribeira Grande Pro.

Agenda para sábado

06h30 – Call do segundo dia de competição

A nível televisivo, o Allianz Ribeira Grande Pro poderá ser acompanhado em direto na Sport TV, assim como nos restantes meios oficiais: Facebook do MEO, app do MEO – disponível na posição 810 da grelha de canais MEO, e em www.ansurfistas.com e redes sociais em @ansurfistas.

A Liga MEO Surf 2022 é uma organização da Associação Nacional de Surfistas e da Fire!, com o patrocínio do MEO, Allianz Seguros, Joaquim Chaves Saúde, Bom Petisco, Go Chill, Somersby, Corona e Rip Curl, o parceiro de sustentabilidade Jerónimo Martins, o apoio local da Câmara Municipal de Ribeira Grande, e o apoio técnico do Azores Surf Club e da Federação Portuguesa de Surf.

Fotos: Jorge Matreno / AN Surfistas.

Continuar a ler

Atualidade

PSP comemora o 145º Aniversário do Comando Distrital de Beja

Publicado

on

O Comando Distrital da PSP de Beja celebra, hoje, o seu 145º Aniversário. Em 24 de junho de 1877, o Corpo de Polícia Civil em Beja passou a disponibilizar aos cidadãos a Esquadra da Polícia Cívica de Beja, pela mão do então Governador Civil, Mariano Joaquim de Sousa Feio.

Atualmente, o Comando Distrital da PSP de Évora conta com 5 subunidades operacionais: Esquadras de Beja e de Moura, Esquadra de Investigação Criminal, Esquadra de Intervenção e Fiscalização Policial, Esquadra de Trânsito e vários Núcleos do Comando, a par do serviço desenvolvido no âmbito das suas atribuições exclusivas em matéria de armas e explosivos, na Fábrica de Explosivos da ORICA, em Aljustrel, em matéria de Segurança Aeroportuária no Terminal Civil de Beja e, também, em matéria de Segurança Privada.

Da atividade operacional levada a cabo, no ano de 2021, destaca-se a detenção de 77 cidadãos na sequência de vários ilícitos criminais, em particular: 11 por tráfico de estupefacientes; 16 por condução de veículo automóvel sem habilitação legal; e 35 por condução de veículo com taxa de álcool igual/superior a 1,2g/l.

Sendo Beja uma cidade com uma considerável população estudantil e, também, uma cidade com grande afluência de visitantes ocasionais, não só pelas suas atrações turísticas, como monumentos e produção vinícola, à semelhança de Moura, mas também pelos vários eventos que ali têm lugar, a PSP realizou 206 ações no âmbito do reforço da visibilidade, no sentido de incrementar o sentimento de segurança junto dos cerca de 47 000 residentes permanentes e dos milhares de turistas que, anualmente, visitam estas cidades, especialmente por ocasião da feira anual OVIBEJA.

Numa perspetiva de prevenção criminal, e através de uma abordagem no âmbito do policiamento de proximidade, realizou, ainda, 313 ações de sensibilização junto dos cidadãos e das demais instituições e organizações, públicas e privadas, e também cerca de 789 ações de fiscalização rodoviária, contribuindo desta forma para a consolidação da segurança nas zonas urbanas do distrito.

Foto e imagem: PSP.

Continuar a ler

Atualidade

Madeira: PSP regista 35 acidentes entre 17 e 23 de junho

Dos acidentes, resultaram 21 feridos ligeiros

Publicado

on

O Comando Regional da Polícia de Segurança Pública (PSP) da Madeira, relativamente à sinistralidade rodoviária verificada no período compreendido entre o dia 17 e o dia 23 de junho, registou um total de 35 acidentes de viação na Região Autónoma, distribuídos pelos seguintes Concelhos: Funchal (23), Ribeira Brava (1), Calheta (1), São Vicente (1), Santana (1), Santa Cruz (6) e Porto Santo (2).

Este número de sinistros resultou num total de 21 feridos ligeiros (16 no Funchal, 2 na Calheta e 3 em Santa Cruz).

As tipologias dos referidos acidentes de viação foram as seguintes: Colisão (26), despiste (7), atropelamento (1) e outros (1).

“O combate à sinistralidade rodoviária continua a ser uma das grandes prioridades da PSP, o qual é efetivado através de um incremento da visibilidade policial, eminentemente preventiva, e de várias ações locais, de cariz iminentemente educativo e preventivo, que são implementadas em todos os Concelhos da Região, através das Esquadras concelhias e destinadas a um público muito abrangente. Cumulativamente, garantimos uma fiscalização permanente e intensiva do comportamento dos condutores, através de operações de fiscalização específicas e mais incisivas, relativamente aos vários fatores considerados de risco, potenciadores do aumento dessa mesma sinistralidade rodoviária”, sublinha em nota.

Neste âmbito, e durante o referido espaço temporal, desenvolveu uma série de operações de fiscalização rodoviária, que resultaram na materialização de 8 detenções por condução sob o efeito do álcool (2 no Funchal, 1 em Câmara de Lobos, 1 na Ribeira Brava, 2 na Calheta, 1 em Santa Cruz e 1 em Porto Santo), 2 detenções por condução sem habilitação legal (1 no Funchal e 1 em Santa Cruz) e 4 detenções por desobediência ( 1 em Santa Cruz por recusa em efetuar o teste de alcoolemia; 1 no Funchal e 1 em Câmara de Lobos por condução com o título de condução apreendido e 1 no Funchal por condução estando inibido de o fazer pelo período de 12h).

Foto: DR.

Continuar a ler

Mais lidas